Por pbagora.com.br

Publicações estrangeiras destacam os efeitos da paralisação, a falha no acordo com o governo e os efeitos sobre a Petrobrás

A greve dos caminhoneiros que paralisa o Brasil há seis dias é assunto na imprensa internacional. A manchete da página sobre América Latina da BBC News destaca o desabastecimento provocado por uma greve que não acaba.

O serviço de noticiário da empresa pública de comunicação britânica acompanha praticamente em tempo real as notícias sobre a greve. A decisão do presidente Michel Temer de autorizar o uso das Forças Armadas para desobstruir rodovias foi publicada praticamente ao mesmo tempo que a mídia brasileira.

Na vizinha Argentina, o jornal Clarín noticia o cancelamento de voos no aeroporto de Brasília por falta de combustível.

Financial Times, importante jornal econômico do Reino Unido, destaca as perdas da Petrobrás nas bolsas de valores após a decisão de cortar e congelar o preço do diesel por 15 dias.

O jornal australiano The Sidney Morning Herald chama a atenção para a circulação de fake news e como a boataria e as mentiras contribuíram para piorar a situação no Brasil.

Publicação econômica, The Wall Street Journal registrou o acordo entre governo e empresas de transporte na noite de quinta-feira. O acordo já nasce sem força, devido à não adesão de um dos grandes sindicatos da categoria, diz o jornal.

Já o Washington Post destaca a falta de combustíveis nos postos de gasolina durante a greve. A notícia do fechamento de escolas devido ao caos no transporte e a adesão das vans escolares também aparece nas páginas de um dos jornais mais influentes do mundo.

R7