Por pbagora.com.br

Forças de segurança da Nigéria invadiram na noite de quarta-feira uma mesquita na cidade de Maiduguri, no norte do país, onde militantes de um grupo islâmico se escondem há dias.

Há relatos de que vários militantes foram mortos no ataque, que aconteceu depois da terceira noite de tiroteios.

Muitos dos militantes fugiram, e atacaram delegacias de polícia no caminho.

O grupo, conhecido como Boko Haram, tem como objetivo derrubar o governo e impor a lei islâmica de forma mais rígida.

O ataque por forças de segurança aconteceu depois que mil soldados foram enviados à cidade.

O comandante do Exército, Saleh Maina, disse à agência de notícias AP que o vice-líder do grupo militante foi morto no ataque. No entanto, ele disse que o líder Mohammed Yusuf conseguiu fugir, junto com 300 outros combatentes.

Um repórter da AP que assistiu à ação disse que contou cerca de 50 corpos fora do prédio e outros 50 no pátio.

O porta-voz do Exército, Chris Olukolade, disse à BBC que a lei e a ordem foram restabelecidos em Maiduguri.

"O enclave das pessoas causando o problema foi submetido ao controle e em pouco tempo nós acreditamos que todos poderão voltar às suas tarefas normais na região", disse.

O governo aliviou o toque de recolher imposto na última noite, permitindo que algumas pessoas circulassem pela cidade.

Se confirmados os dados mais recentes, o número de pessoas mortas teria atingido 300 em quatro dias de combates, desde que mil militantes começaram a atacar delegacias e prédios do governo em várias cidades do norte da Nigéria.

O presidente nigeriano, Umaru Yar’Adya, ordenou que as forças de segurança tomem todas as medidas necessárias para conter os extremistas.

Forças de segurança tomaram as ruas de Maiduguri na terça-feira e atacaram a mesquita onde Yusuf e seus militantes se escondiam.

BBC