Por pbagora.com.br

O candidato democrata Joe Biden assumiu de vez a liderança na Pensilvânia e na Geórgia e está próximo de ser eleito presidente dos Estados Unidos.

Em seu primeiro pronunciamento após a virada em estados cruciais, neste sábado (7), ele disse que espera vencer a eleição dos Estados Unidos.

Na Pensilvânia, ele lidera por 27.174 votos, com 99% da apuração, segundo a projeção da agência Associated Press. A margem na Geórgia é menor, mas Biden lidera por 4.020 votos, com 99% da apuração.

“Vamos vencer com uma grande maioria, tivemos mais de 74 milhões de votos”, disse o democrata. “É mais do que qualquer outra chapa teve na história, e nosso total de votos está crescendo.”

O ex-vice-presidente repetiu o pedido de calma aos americanos e disse que a contagem é devagar para que todos os votos sejam apurados.

Ele fez comentários também sobre a pandemia do novo coronavírus e disse que já prepara um plano de ação para seu governo, se for eleito.

Os EUA são o país que mais tem casos e mortes por Covid-19 no mundo. São mais de 9,7 milhões de infectados e 236 mil mortos.

Trum – O Partido Republicano da Pensilvânia pediu à Suprema Corte dos Estados Unidos nesta sexta-feira (6) a interrupção da contagem dos votos que estão chegando atrasados. O democrata Joe Biden assumiu a liderança das eleições americanas no estado, decisivo para a vitória.

O partido de Donald Trump pediu ao tribunal que pare a apuração de votos de milhares de cédulas enviadas pelo correio que chegaram depois da terça-feira (3), dia da eleição. A maioria dessas cédulas seriam a favor de Biden.

O juiz da Suprema Corte Samuel Alito determinou na noite desta sexta-feira que esses votos enviados por correio e recebidos após 3 de novembro sejam contados paralelamente. A decisão, no entanto, não interrompe a contagem dessas cédulas, como queriam os republicanos.

Além disso, a petição pede ao tribunal que ordene aos funcionários eleitorais do estado que confisquem todas as cédulas recebidas após o dia da votação e que revise a decisão do governo do estado de aceitá-las.

G1

Deixe seu Comentário