Por pbagora.com.br

Entre 3.000 e 4.000 pessoas estão desaparecidas na ilha de Sumatra, afetada na quarta-feira por um terremoto de 7,6 graus na escala Richter, informou neste sábado o coordenador de ajuda humanitária da ONU na Indonésia, El-Mostafa Benlamlih.

"Consideramos, geralmente, que o tempo máximo de sobrevivência de uma pessoa sob os escombros após um terremoto é de cinco dias", afirmou ele.

O diretor da Federação Internacional da Cruz Vermelha, Bob McKerrow, que visitou a cidade de Padang, a mais atingida pelo terremoto, disse que sua estimativa é de 4.000 pessoas sob os escombros.

Só na zona noroeste da cidade de Padang, devastada pelo tremor, 600 pessoas estão desaparecidas em consequência dos deslizamentos de terra, informou o governo. "Há 600 desaparecidos. Só encontramos três mortos", declarou Jasmarizal, funcionário do ministério regional da Saúde.

O último boletim das autoridades indonésias contabiliza 777 mortos no terremoto, mas a ONU estima que há 1.100 vítimas fatais.

Vários países, do Japão aos Estados Unidos, passando por Suíça e Austrália, enviaram equipes de emergência à região.

Em Padang, uma cidade de quase um milhão de habitantes, as brigadas de resgate locais se queixam da falta de equipamentos como escavadeiras ou máquinas para cortar estruturas metálicas.

Os funcionários conseguiram, no entanto, retirar na sexta-feira várias pessoas sepultadas, incluindo duas jovens que estavam soterradas desde quarta-feira nos escombros de uma escola de idiomas.

Veja