Por pbagora.com.br

O torcedor do Sport deve sair exausto dos jogos do time, tamanha a participação durante os 90 minutos. E quando é jogo de Taça Libertadores da América…aí a entrega é redobrada. Nesta quarta-feira, contra o Palmeiras, quem foi à Ilha do Retiro não parou um minuto sequer. Logo que os portões se abriram, às 19h, era possível ouvir o ‘Cazá, Cazá’, famoso grito de guerra dos rubro-negros, pelos quatro cantos do estádio.

– Eu venho a todos os jogos do Sport. O Sport pode perder, mas eu não perco um jogo (risos) – disse o administrador de empresas Carlos Cavalcanti.

Na apresentação do time, do goleiro Magrão ao atacante Ciro, todos foram homenageados. Sem esquecer o técnico Nelsinho Baptista, que é ídolo dos leoninos. É uma torcida que joga com a equipe. Bola nos pés de um palmeirense? Vaias, apitos e rói-róis (uma espécie de chocalho barulhento) em ação. Sport no ataque? Ninguém consegue ficar sentado. E assim foi até a marca de 23 minutos do primeiro tempo: Keirrison fez 1 a 0 para o Palmeiras. Por um instante a Ilha silenciou. Só que era hora de incentivar e tentar o empate, mas na etapa inicial não deu.

Veio o intervalo. Na fila do banheiro ou para comprar um churrasquinho, várias rodas de discussão sobre como o time deveria voltar para o segundo tempo. Os palpiteiros queriam que Nelsinho Baptista mudasse.

– Paulo Baier não pode jogador sozinho! – alguém gritou.

 

Parece que o técnico ouviu. Na volta para etapa final, ele lançou Luciano Henrique no lugar de Moacir, e o time ganhou mais organização ofensiva no meio-campo. Vandinho tentou de cabeça, e Marcos defendeu. Paulo Baier deu um chute sensacional, e lá estava o goleiro. Foi o suficiente para a tradicional animação dar lugar ao desespero. Nem Ciro, xodó da torcida, foi poupado.

 

E quando Diego Souza fez 2 a 0, aos 27 minutos do segundo tempo, muita gente se levantou e foi para casa mais cedo. Apesar do resultado ruim, e da perda da invencibilidade na competição continental e na temporada (22 jogos), os jogadores do Sport foram aplaudidos pelos torcedores. O ‘Cazá, Cazá’ foi ouvido mais uma vez, mas não com a mesma força e ânimo.

 

Na próxima semana, haverá um novo encontro entre os dois times pela Libertadores. Será a vez de os torcedores do Alviverde mostrarem a força que têm. Promete!

 

G1

Deixe seu Comentário