A Paraíba o tempo todo  |

Problemas no Treze podem levar o Estádio PV para um leilão

 Sexto colocado no Campeonato Paraibano 2016 e com o departamento de futebol profissional sem atividade desde abril, o Treze Futebol Clube está numa situação complicada.

 

São quase R$ 7 milhões em dívidas, três meses de salários atrasados dos funcionários, além de uma despesa mensal que não pode deixar de ser quitada de R$ 40 mil, e o pior: com o estádio Presidente Vargas prestes a seguir novamente para leilão.

 

Apenas de duas ações trabalhista recentes, envolvendo os laterais Ramon Zanardi e Bira, que atuaram no elenco da Série C de 2013, o Alvinegro foi condenado a pagar quase R$ 1 milhão.

 

A situação foi detalhada pela atual diretoria do clube, ontem, em entrevista à Rádio Borborema.

 

De acordo com o diretor de futebol alvinegro, Fábio Azevêdo, a atual situação é reflexo principalmente da administração do advogado Eduardo Medeiros, que geriu o clube no biênio 2013-2014.

 

Sobre a despesa de R$ 40 mil que o Treze precisa quitar todo mês, o diretor financeiro Alan Kardec Moraes explicou que se refere aos salários de nove funcionários do clube, estrutura de categoria de base e principalmente ao Profut, programa de parcelamento das dívidas dos cubes com a União.

 

Como está sem atividade no futebol profissional até o Paraibano 2017, o Galo não consegue ter uma fonte de renda, e isso tem aumentado a dificuldade.

 

Alan revelou que o clube tem contado com a ajuda de abnegados para conseguir resolver tais pendências. Ele citou o nome do empresário Luiz Augusto Nóbrega como um desses colaboradores.

 

PV

Sobre a iminência de o PV ser levado novamente a leilão por conta das dívidas trabalhistas, o dirigente avisou que a diretoria está atenta e fazendo de tudo para resolver a situação.

 

Entre 2013 e 2015, um débito de R$ 287.072,76 do Treze com a União, proveniente de dívidas trabalhistas com o INSS, levou o estádio a leilão. A venda do imóvel está sendo avaliada pela Justiça em R$ 22,5 milhões.

 

No processo de 2013, o ex-presidente e atual diretor Fábio Azevedo é apontado como “depositário”.

 

Para 2017, o Treze vai disputar apenas o Campeonato Paraibano, e novamente deve ficar sem atividade no segundo semestre, uma vez que os representantes da Paraíba na Série D já estão definidos: Campinense e Sousa.

 

O Galo precisa ser campeão estadual ou vice do Botafogo-PB para se garantir na quarta divisão de 2018.

 

 

Paraibaonline

    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe