A Paraíba o tempo todo  |

Emocionado, presidente do Campinense diz que missão é conquistar acesso para Série C

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

No início do trabalho, há seis meses, as críticas foram inevitáveis. E a desconfiança sondava as hostes rubro-negras. A eliminação na Copa do Brasil, após goleada para o Bahia, e a derrota na estreia do Campeonato Paraibano para o São Paulo Crystal, acenderam o alerta no Alto da Bela Vista, e levaram os torcedores a temerem que 2021 seria um ano de queda  para o Campinense.
Mas o trabalho realizado com simplicidade pelo atual presidente Fhelipe Cordeiro e demais membros da diretoria,  com seriedade, transparência e sintonia com a torcida, foi coroado com a conquista do título do Campeonato Paraibano 2021,

Fhelipe Cordeiro saiu da torcida, do meio das arquibancadas,  para a cadeira de presidente, e em seis meses de gestão, levou a Raposa a conquistar o 21° título estadual. título de sua história.

Ainda emocionado Phelipe Cordeiro agradeceu a todos os rubro-negros pelo título, inclusive,  aqueles que o criticaram e disse que a missão ainda não terminou.
“Mas o agradecimento é principalmente para aqueles que acreditaram. Acreditaram em uma gestão limpa, transparente e que fizesse enaltecer o nome do Campinense Clube, que foi sempre o que a gente buscou” agradeceu.

Fhelipe Cordeiro ressaltou que o seu sentimento, após a conquista do título estadual, era o da missão cumprida.  Em seis meses de gestão, ele disse que procurou dar voz a torcida, e escutar os anseios que vem das arquibancadas.
Enfático, ele disse que a gestão rubro-negra está sendo feita junto com a torcida, e as decisões tomadas ouvindo o que o torcedor espera.

“Assim como eu fui eleito, disse que a torcida chegou à cadeira de presidente, e com a graça de Deus, a gente pode representar bem essa torcida e dá esse título, que há cinco anos  a gente não conquistava” disse.

Emocionado, Phelipe Cordeiro disse que no começo da campanha, muitos raposeiros não acreditavam em seu trabalho. Achavam que ele iria rebaixar o time. No entanto, sabia que o desafio seria reerguer o clube, e reconstruir o Campinense e toda sua grandeza.

“Esse título é de todos os raposeiros. Eu estou feliz. Cumpri minha missão, e agradeço a todos que acreditaram no meu trabalho. O começo foi difícil. Alguns achavam que iria rebaixar o time, mas esse grupo foi valente, guerreiro, e está de parabéns “, comemorou.

Com o título conquistado, o cartola garantiu que a Raposa ainda tem uma missão mais árdua e mais difícil pela frente que é conquistar o acesso para a Série C do Brasileiro de 2022.  A Raposa está no grupo D 3 da competição nacional, e no momento está na segunda colocação com 4 pontos.
“É um grande desafio. Um campeonato mais longo, e com as graças de Deus e o apoio de todos, vamos chegar a esse tão sonhado acesso que há 11 anos estamos perseguindo” disse.

Para conquistar o título do Campeonato Paraibano, o time comandado por Ranielle Ribeiro disputou 11 partidas. Venceu quatro, perdeu apenas uma e empatou 6. A Raposa terminou a primeira fase em terceiro lugar com 12 pontos. Na repescagem, eliminou o Atlético de Cajazeiras nos pênaltis, e na semifinal, eliminou o favorito Botafogo também nos pênaltis, após empate em 0 x 0 no tempo normal. Na final, venceu o Sousa na primeira partida por 1 x 0 no Amigão, e segurou o empate em 0 x 0 no Marizão.

Como não poderia ser diferente, a grande final, disputada às 10h no calor do Sertão, foi tensa, nervosa, e com a Raposa suportando uma pressão do Dinossauro. Após os 90 minutos, o rubro-negro, conseguiu segurar o empate em 0 x 0 e deixou o Marizão com o título da  111º  edição do Campeonato Paraibano.

Ao longo da competição, marcou 10 gols, inclusive, o do título, anotado por Edinho Corrêa, e sofreu 7 tentos. Um dos destaques do time, foi o goleiro Mauro Iguatu, contratado com a competição em andamento. O “paredão” fechou o gol, e foi decisivo e um dos responsáveis pelo título, com defesas importantes. Um dos triunfos da Raposa no campeonato foi contra o rival Treze.

Campeão paraibano de 2021, o Campinense chegou ao seu 21° título do estadual, isso, é claro, na contagem da Federação Paraibana de Futebol. Na contagem do clube, são 22 títulos, mas a Federação Paraibana de Futebol (FPF) considera 21 conquistas do Rubro-Negro.

É que na edição de 1975, uma polêmica aconteceu e segue até hoje. Há 46 anos, a final do estadual seria decidida entre Botafogo-PB, campeão do primeiro turno, e Treze, campeão do segundo. No entanto, a Raposa ingressou na Justiça em virtude de uma escalação irregular do Nacional de Patos na segunda rodada, o que garantia pontos suficientes para o Rubro-Negro ultrapassar o Galo. O Tribunal acatou o pedido raposeiro, mas a FPF jamais reconheceu a decisão.

Com o título do Paraibano, o Campinense conquistou o direito de disputar a fase de grupos da Copa do Nordeste em 2022, competição que conquistou em 2013.  Além do título estadual e do Nordestão, a Raposa também vai disputar a Copa do Brasil em 2022 e o Campeonato Brasileiro, da Série C ou D, dependendo da campanha em busca do acesso este ano. Já o Sousa, vai disputar a Copa do Brasil e a Série C ou D, também dependendo do resultado da campanha na competição nacional deste ano. O outro representante da Paraíba na Copa do Nordeste, será o Botafogo por estar melhor posicionado no ranking da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Severino Lopes
PB Agora

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE
    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe