Por pbagora.com.br

Apesar de ter levado o São Paulo a três conquistas consecutivas do Campeonato Brasileiro –2006, 2007 e 2008, todos por pontos corridos–, o técnico Muricy Ramalho convive com questionamentos por jamais ter levado o time do Morumbi a um título da Libertadores, competição em que o time está classificado para as oitavas-de-final, e por seu desempenho menos eficiente em mata-matas.

Na noite de quarta, o time venceu o América de Cali por 2 a 1 e fechou a primeira fase como líder do Grupo 4.

De fato o São Paulo não tem grandes resultados em jogos eliminatórios na atual passagem do treinador pelo clube, que já dura mais de três anos. Porém Muricy pode buscar em seu passado no próprio Morumbi a inspiração para mudar esse quadro.

 

Desde 2006, quando voltou ao time do Morumbi, Muricy disputou 15 confrontos de mata-matas, venceu seis e foi eliminado em nove, tendo nove vitórias, nove empates e 12 derrotas nestas partidas –um aproveitamento de apenas 40% dos pontos. O jogos valeram por Campeonato Paulista, Libertadores, Copa Sul-Americana e Recopa Sul-Americana, e o técnico não levou o título em nenhuma delas.

Entre 1994 e 1997, Muricy assumiu o São Paulo em algumas oportunidades como interino em ausências de Telê Santana ou comandando uma equipe B em competições menos importantes. Acabou sendo efetivado após uma passagem de Carlos Alberto Parreira pelo clube.

Neste período, o técnico conseguiu até um título em um torneio de mata-mata, seu único neste tipo de competição no comando do clube, a Copa Conmebol de 1994, quando comandava um time de garotos que eram pouco utilizados na equipe principal por Telê –equipe que ficou conhecida como Expressinho.

No total, Muricy esteve à frente do time em sete mata-matas naquela época, incluindo duas Copas do Brasil, com seis triunfos e apenas um revés, no total de 14 jogos. Foram sete vitórias, quatro empates e três derrotas em jogos deste tipo –aproveitamento de aproximadamente 60%.

Na Copa do Brasil de 1996, no entanto, o time foi desclassificado por utilizar de forma irregular o volante Lima nas oitavas-de-final. Em 1997, o time caiu nas oitavas diante do Vitória, o que representou o único fracasso em mata-matas no período.

Mito

Em resposta aos críticos, Muricy disse recentemente que é bom neste tipo de competição. "O problema é que no Brasil o cara bom no mata-mata é aquele que vai bem na Libertadores. Só este campeonato serve. Quem fala que eu vou mal em mata-mata é porque não olha o meu currículo, não quer enxergar as minhas vitórias", falou o treinador.

No comando do São Caetano, ele foi campeão paulista de 2004, eliminando o próprio São Paulo nas quartas-de-final. Também triunfou em mata-matas na conquista de dois Campeonatos Gaúchos pelo Internacional, dois Campeonatos Pernambucanos pelo Náutico, além de uma Copa da China, pelo Shanghaï Shenhua.

Folha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.