O futebol brasileiro foi interrompido no mês de março por causa da pandemia do novo coronavírus. Nas últimas semanas, muito tem se falado de como (ou se vai ter como) prosseguir com a temporada. Muitas são as variáveis: quanto tempo vai durar o isolamento social, calendário, situação econômica dos clubes, etc. Mas uma das possibilidades – e talvez a mais forte – é que os estaduais fiquem simplesmente sem conhecer os seus campeões em 2020.

Quem comenta esse caso na Paraíba é Aldeone Abrantes, presidente do Sousa. Para ele, a situação é grave e não havia como os clubes renovarem os contratos com os atletas, além disso, o dirigente afirmou que não acredita no retorno da competição em curto prazo e a solução encontrada foi dialogar com alguns atletas para que, caso haja o retorno, eles possam assinar novos vínculos com o clube de Sousa.

“Estamos conversando e resolvendo com alguns atletas para um possível retorno, pois nossa intenção é que caso isso ocorra possamos remontar o elenco com a maior parte deles. Vamos aguardar a definição do cenário, mas eu não acredito na volta do futebol tão cedo”, disse Aldeone.

O Campeonato Amazonense foi o primeiro a indicar isso. Logo após a suspensão, a FAF decidiu que a competição não seria mais retomada, seja qual for o cenário daqui a alguns meses. Com isso, Manaus (campeão do primeiro turno) e Amazonas (time de melhor campanha) pleiteiam o título. Na Paraíba, o Atlético de Cajazeiras segue o mesmo caminho e também quer ser reconhecido campeão.

Na Paraíba o primeiro clube a esvaziar o seu elenco foi o Nacional de Patos que, ainda no dia 20 de março, anunciou a dispensa de todo o elenco e comissão técnica – assim que a Federação Paraibana de Futebol (FPF) anunciou a paralisação do estadual. O clube ainda defendeu o cancelamento da competição e a manutenção das equipes sem rebaixamento, mas foi voto vencido diante da perspectiva de disputa das vagas nas competições nacionais.

 

Redação

Deixe seu Comentário