Por pbagora.com.br

O treino era de reconhecimento do estádio Miguel Grau, em Piúra, no Peru, mas esqueça aquelas atividades leves que costumam marcar os recreativos de véspera de jogo. O Fluminense não tem tempo a perder. Ciente disso, Cuca aproveitou cada minuto livre e escalou um time bastante modificado para a partida contra o Alianza Atlético, nesta quarta-feira, às 19h15m (de Brasília), pelas oitavas de final da Copa Sul-Americana.

Sem Equi Gonzalez, Urrutia e Paulo César, que não foram inscritos e realizam trabalhos físicos no Brasil, o treinador mandou para campo um Tricolor com cinco caras novas em relação ao que foi goleado pelo Grêmio, domingo, pelo Brasileirão. Na vaga dos poupados, entram Marquinho, Diguinho e João Paulo, enquanto Maurício e Mariano são testados nos lugares dos barrados Diogo e Ruy.

Decepcionado com a atuação em Porto Alegre, Cuca não descarta mudanças definitivas e projeta uma equipe com uma atitude diferente em campo.

– Faço algumas mudanças para observação. Tem tudo para que eles joguem bem e se escalem. No domingo, fizemos um jogo ruim contra o Grêmio, deu tudo errado. Que tenhamos como um exemplo negativo para passar a ter uma postura diferente.

Sobre o gramado sintético do estádio em Piúra, Cuca repetiu as desvantagens já apontadas pelo GLOBOESPORTE.COM, mas apontou um fator positivo.

– É uma “cancha” sintética, mas muito rala. Parece que está se pisando no chão direto. Não há o capim alto que amorteça o impacto da bola. Ela fica viva. Fizemos um treino breve para que não seja uma surpresa total. O goleiro sofre mais, tenho certeza. É ótimo para fazer gol.

Só depois de comandar uma atividade tática de cerca de 40 minutos, que incluiu também jogadas de bola parada, Cuca liberou os jogadores para o tradicional “rachão”. O Fluminense treinou com Rafael, Mariano, Gum, Luiz Alberto e João Paulo; Diguinho, Maurício, Conca e Marquinho; Kieza e Adeílson.

 

globoesporte.com