Por pbagora.com.br

 Festa do início ao fim. O Botafogo fez valer a vantagem obtida no primeiro jogo, fez dois logo no início da partida da noite desta quinta-feira, no Nilton Santos, e se garantiu nas quartas de final. Eliminado, coube ao Nacional-URU provocar grande confusão no gramado e a torcida visitante quebrar cadeiras do estádio. O próximo rival do Glorioso na Copa Libertadores é o Grêmio.

Pouco antes do apito inicial, do teto do estádio caíram, como chuva, tiras de papel preteado. De dois lados da arquibancada, mosaicos incentivavam os jogadores alvinegros aos som dos fogos. E a barulheira mal tinha acabado quando a euforia tomou conta do estádio. Dois minutos de jogo, João Paulo cobra escanteio e Bruno Silva, sozinho, devia para o gol. Vantagem ampliada.

E como se alguém tivesse dito que a festa precisava continuar, ela continuou: aos cinco minutos, Rogel recuou mal e Rodrigo Pimpão, de carrinho, chegou antes do goleiro Conde. Enquanto a bola ultrapassava linha para o 2 a 0, a torcida já celebrava.

Apesar da necessidade de atacar, o Nacional não conseguia se articular. Pelo contrário, tirou um volante, pôs outro centroavante, mas foi o Glorioso quem voltou a ter chance. Aos 31, Pimpão puxou contra-ataque e passou para Roger. O toque de primeira deixaria Rodrigo LIndoso sozinho com o goleiro, mas Polenta se antecipou.

Os visitantes precisavam de um gol o mais rapidamente possível. Por isso impuseram uma verdadeira blitz em torno da área de Gatito Fernández nos dez primeiros minutos do segundo tempo. O Alvinegro, entretanto, resistiu.

E a partir dos 14, a equipe passou a contragolpear. Numa dessas aparições no ataque, João Paulo cobrou falta, Roger desviou e Carli disputou no alto. Mas fora marcado o impedimento do argentino.

Aos poucos, o ímpeto uruguaio foi diminuindo. Na mesma medida, o público presente foi se empolgando e começando a puxar coros. Aos 23, o Nacional até conseguiu assustar. Mas Gatito parou com o peito a finalização de Viudez.

Daí para o final, o Alvinegro criou chances de todo modo, mas já animava a torcida, que começou a cantar "olé". O espírito esportivo passou longe de Aguirre e companhia, que, a cada ataque, davam uma pancada. Houve confusão no campo, Victor Luís e três uruguaios expulsos, e muitas cadeiras quebradas pela torcida visitante. Mas festa alvinegra!

Terra

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Morre aos 60 anos jogador Argentino, Diego Maradona vítima de parada cardíaca

Maior jogador da história do futebol argentino, Diego Armando Maradona morreu nesta quarta-feira (25) aos 60 anos. Segundo o jornal argentino “Clarín”, Maradona sofreu uma parada cardiorrespiratória. Diego Armando Maradona…