Por pbagora.com.br

O Laboratório de Referência em Dessalinização (Labdes) da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) desenvolveu uma solução para contribuir com a segurança de vida de profissionais da saúde envolvidos no combate ao coronavírus (COVD 19).

Considerado inovador, o BioEsterilizador visa esterilizar ambientes e pessoas, criando um mecanismo de proteção nos hospitais, clínicas e laboratórios.

A tecnologia utilizada parte do princípio da mudança de fase da matéria, explica o pesquisador Kepler França, coordenador do Labdes. “O calor é a fonte primária, ativando as moléculas de uma solução aquosa para o estado gasoso, que, por conter componentes que contribuem para a esterilização, atacam o vírus”.

“A literatura científica afirma que o coronavírus possui uma camada protetora de lipídios. Daí, o calor da vaporização da solução aquosa, associado às atividades dos seus potenciais químicos, contribuirá para dissolver essa proteção e decompor o vírus”, traduziu.

O vapor gerado pelo sistema a, aproximadamente, 70°C – atenuado pela temperatura ambiente – não põe em risco a saúde e nem o meio ambiente, quando a vaporização é realizada.

O pesquisador falou da importância do sistema ser, inicialmente, utilizado nos ambientes hospitalares, pois os profissionais de saúde representam, em diversos países, quase 12% dos contaminados. “E são eles que estão na linha de frente do combate”, pontuou.

“A proposta é que todas as pessoas – e, também, as ambulâncias – passem pelo BioEsterilizador ao entrar e sair das unidades hospitalares. Assim, digamos, combatendo nessa porta de contágio, reduziremos, imensamente, a propagação do vírus”, disse.

Kepler França também ponderou a utilização do sistema em grandes áreas de circulação, a exemplo de supermercados, e em agrupamentos de atividades públicas (corporações militares e civis) tornando-se um equipamento de proteção essencial.

Experimentação e Implantação

O custo de implantação, a operacionalização e a manutenção do sistema é relativamente baixo e se justifica pelos enormes benefícios apresentados, especialmente, a proteção ao meio ambiente. E poderá ser modelado para utilização em outros equipamentos médicos e hospitalares.

“Diante da emergência da situação, provocada pela pandemia, o projeto requer o apoio financeiro das instituições de fomento e investimento para que possamos desenvolvê-lo em curto prazo. Pensamos num sistema robusto – com monitoramento, banco de dados e operacionalizado nacionalmente”, ressaltou, Kepler França.

O Labdes vem mantendo contato com um dos hospitais público de Campina Grande para um experimento amplo do BioEsterilizador.

(Ascom UFCG)

Notícias relacionadas

UFPB oferece 100 bolsas para interiorizar ações de extensão

A Universidade Federal da Paraíba (UFPB), por meio da Pró-reitoria de Extensão (Proex), divulgou nesta sexta-feira (14) o edital do programa UFPB no seu município, com abertura de inscrições para seleção de…