Por pbagora.com.br

Em plena pandemia do coronavírus no mundo, representantes da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) comentam sobre a realidade financeira das suas instituições. Segundo dados às instituições públicas de ensino superior da Paraíba sofreram o corte de mais de 600 bolsas de incentivo à pesquisa de pós-graduação, após o anúncio no último mês da Portaria nº 34, publicada no dia 9 de março, pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoa de Nível Superior (Capes), vinculada ao Ministério da Educação.

Em entrevista a imprensa a pró-reitora de Pós-Graduação da UFPB, Maria Luiza Feitosa, disse que os cortes de bolsas foram realizados sem propostas e acordos e representam uma surpresa, em especial, diante da pandemia do coronavírus (Covid-19).

“Os cortes atingiram principalmente a área das ciências sociais e das engenharias. Mas é um programa de cortes que vem desde o ano passado. Eles implementaram este ano agora no mês de março fora de qualquer acordo e de qualquer proposta que tenham apresentado para a pós-graduação do país. O ruim é que isso é para qualquer área, é pela nota e não pela área do programa. Diante dessa questão da Covid-19, até a área de medicina, por exemplo, de saúde coletiva, de saúde da família , mesmo assim sofrem cortes”, esclareceu Maria Luiza Feitosa.

Mais de 300 bolsas de pós-graduação que eram mantidas pelo Capes na UFPB foram cortadas após divulgação de portaria com novo modelo de concessão de bolsas, de acordo com a instituição. A portaria n° 34 da Capes vai cortar 346 bolsas de pós-graduação da UFPB, cerca de 26% do total de bolsas mantidas na instituição de ensino.

De acordo com a instituição, a maioria dos cortes foram em cursos de pós-graduação com notas entre 3 e 5, sendo 7 a nota máxima de avaliação do Ministério da Educação (MEC). A nova norma revoga parcialmente as regras divulgadas em fevereiro deste ano, presentes nas Portarias da Capes de Nº 18 e 20, de 20 de fevereiro, e de Nº 21, de 26 de fevereiro. “Os cortes independem da nota ou região em que se encontram. Nem mesmo os programas nota 6, padrão de excelência internacional, foram poupados”, comenta.

Cursos da UFPB com maiores perdas:

  • História: 27
  • Serviço social: 21
  • Química: 19
  • Sociologia: 14
  • Psicologia: 14
  • Artes visuais: 13
  • Informática: 13

UFCG- Na UFCG a realidade segundo o pró-reitor de Pós-graduação da UFCG, Benemar Alencar, não é muito diferente, pois ressalta que as consequências negativas para as instituições de ensino superior do Nordeste e particularmente para a UFCG são grandes. “A Capes adotou esse novo modelo, mas que teve consequências muito severas para a UFCG em particular, e para todas as instituições, sobretudo do Nordeste que tem um número razoável de programas novos que foram duramente atingidos. No caso da UFCG, tivemos alguns programas que chegaram a perder todas as bolsas de um determinado curso. Os mais atingidos foram história, física e engenharia química. Esses realmente estão com muita dificuldade diante desses cortes tão radicais”, comentou.

 

Redação

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Governo da PB define plano de retorno das aulas presenciais

Com à Paraíba ainda travando uma batalha para conter o avanço do Covid-19, o Governo do Estado definiu um plano de retorno das aulas presenciais nas escolas, mas sem data…

Levantamento do IBGE revela que 112 mil alunos ficaram sem aulas na Paraíba

Cerca de 112 mil alunos de 6 a 29 anos não tiveram atividades escolares em agosto, na Paraíba, conforme dados da Pnad Covid-19, divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e…