Estudantes secundaristas, do ensino universitário e da pós-graduação realizam protestos, atos e passeatas, por todo o país, nesta terça-feira (13), contra os cortes do governo Bolsonaro na educação. O objetivo segundo presidente estadual do PT-PB, Jackson Macedo é retomar, com apoio de movimentos sociais, as manifestações de maio, que ficaram conhecidas como “tsunami”. Desde o início do ano, universidades e institutos federais perderam R$ 5,84 bilhões em verbas, ameaçando o funcionamento de alguns campi universitários, que podem ter que suspender suas atividades, a partir de outubro. A falta de recursos não atinge apenas o ensino superior, mas atinge também a educação básica.

“O ‘tsunami’ da educação, faz parte de um calendário das atividades em defesa da educação pública brasileira. O governo Bolsonaro nomeou a educação superior desse país como adversária. Nomeou as universidades como principais adversarias da sua política, pois reduziu os gastos com educação superior em 30% e agora vem com um programa chamado futura-se que quer terceirizar o ensino superior. Então estudantes, profissionais da educação e movimentos sociais vamos para as ruas hoje em todo o Brasil. Aqui em João Pessoa a partir das 14h em frente ao Licel. A expectativa é bastante positiva”, disse Jackson.

As restrições orçamentárias também devem atingir as pesquisas, que também podem ser paralisadas a partir do mês, não apenas por conta do corte de 2.700 bolsas, anunciado pelo Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal do Nível Superior (Capes), mas também pela falta de recursos para manter os laboratórios funcionando.

Os estudantes também saem às ruas contra a projeto Future-se, apresentado pelo Ministério da Educação (MEC), que prevê a ampliação do financiamento privado no ensino superior, o que deve levar a um sucateamento ainda maior das universidades. Neste domingo (11), para lembrar o Dia Nacional do Estudante, além dos 81 anos de fundação da União Nacional dos Estudantes (UNE), eles realizaram uma aula pública, na Avenida Paulista, região central de São Paulo, para alertar a população sobre a “situação dramática” da educação.

Segundo o presidente da UNE, o corte de 30% nos recursos de custeio das universidades, decretado em maio pelo MEC, atingiu verbas que seriam utilizadas para pagar serviços básicos, como água, luz, limpeza, além de materiais de laboratório. “O que os reitores estão dizendo é que, até o próximo mês, muitas universidades podem parar de funcionar porque não têm recursos para pagar esses serviços básicos.”

 

Redação

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Estudantes da educação básica farão prova do Saeb nesta segunda

A aplicação das provas do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) começaram nesta segunda (21). Nesta edição, devem participar 73 mil escolas de todo o Brasil, mobilizando cerca de…

Governador publica edital com quase 200 vagas para contratar servidores

O Governo da Paraíba publicou um edital para contratação de 189 servidores temporários para atuação nos Centros de Referência Especializado da Assistência Social (CREAS), em várias regiões do Estado. De…