O PSB apresentou nesta quinta-feira (2) o Pacto Nacional de Sobrevivência, um manifesto público com propostas “imediatas” para o enfrentamento da maior crise socioeconômica da história.
Elaborado pela Executiva Nacional do partido, o documento traz uma análise de conjuntura em que avalia que o atual presidente da República não consegue se constituir no líder que o País precisa nessa gravíssima crise política, econômica sanitária e social, preferindo liderar uma facção obscurantista e selvagemente capitalista da sociedade.
“Não há chance de errar nas previsões: a crise vai ampliar o alcance em termos de público, de profundidade e de duração. Os resultados poderão ser saques e o estabelecimento do caos. A fome e a desesperança não esperam”, alertam os socialistas.
Para enfrentar as crises, o PSB sugere no documento a adoção de estratégias em cinco principais eixos. Entre as ações propostas estão a concessão de salário mínimo para desempregados, informais e empregados que ficarão sem salários e inscritos no Bolsa Família e no CadÚnico; isenção de cobrança de água, luz e internet; e suspensão das ações de despejo por falta de pagamento de aluguéis a todos esses grupos, pelo período de quatro meses.
O partido também destaca a contratação emergencial de equipes de Saúde da Família e a reedição de contrato com a Organização Panamericana de Saúde (Opas) para possibilitar a vinda de profissionais estrangeiros pelo Programa Mais Médicos.
Outra proposta elencada é a instalação de centros de triagem como “porta única” de acesso aos leitos hospitalares, além da reconversão de escolas, quadras cobertas, hotéis e estágios de futebol em hospitais de campanha para atender e abrigar temporariamente a população de rua e moradores de acampamentos de sem-tetos.
Para o PSB, é necessária ainda a “reconversão industrial” para que fábricas de equipamentos médico-hospitalares produzam prioritariamente equipamentos de insumos para a saúde, como respiradores mecânicos, luvas e máscaras.
Os socialistas defendem a união dos três Poderes da República, de governos estaduais, de prefeituras e da sociedade civil em um esforço de coordenação e cooperação, “apesar das diferenças políticas e ideológicas”.
No manifesto, o partido faz ainda duras críticas à política econômica conduzida pelo ministro Paulo Guedes, que é agravada com os impactos da pandemia, afirma.
O resultado pífio do crescimento do PIB no ano passado é uma demonstração da condução “desastrosa” da economia, “cuja administração está entregue a dogmáticos economistas obcecados em destruir qualquer papel regulador e indutor do Estado”, critica o partido.
Assessoria de Comunicação/PSB nacional
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Pesquisa aponta que 89,7% dos pequenos negócios da PB foram impactados por Covid-19

Uma pesquisa do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) aponta que 89,7%  dos pequenos negócios paraibanos já registraram impactos no seu funcionamento em razão da pandemia…

Preço do botijão de gás de cozinha aumenta 5% na Paraíba

Mais um aumento que vai pesar no bolso dos paraibanos. A partir desta quarta-feira, o preço do do botijão de gás de cozinha vai aumentar 5% na Paraíba. Segundo informou…