Por pbagora.com.br

A queda na safra do milho este ano poderá chegar a 60% em razão das chuvas que atingiram os municípios produtores na Paraíba.

De acordo com o secretário executivo da Agropecuária e Pesca do Estado, Ronaldo Torres, o preço do produto poderá sofrer aumento até o mês de junho, mas ele preferiu não arriscar um percentual.

É neste período, no entanto, que a procura costuma ficar mais intensa, já que o milho é o símbolo das tradições juninas no Nordeste, e é possível que a procura seja maior do que a oferta.

Ele destacou que se as chuvas continuarem fortes nas regiões em que a produção é mais consistente, a exemplo do município de Sousa, Vale do Piancó, as cidades de Guarabira e Campina Grande, além da região do Baixo Paraíba, é provável que a redução na safra seja ainda maior.

Quando a demanda aumentar, a consequência será a falta do produto no mercado e a alteração no preço.

As chuvas, segundo o secretário, deixaram uma lâmina com cerca de 30 centímetros nas plantações. "Isso prejudicou demais o milho que já estava sendo cultivado", destacou.

"O excesso ou a falta de umidade no produto, que é a cultura mestra do estado, compromete o resultado da colheita", observou.

Além das últimas precipitações, o atraso no plantio no Cariri e em Guarabira por conta das chuvas que caíram logo no início do ano também colaborou para restringir a produção.

Houve ainda redução no plantio normal pela carência de sementes para o cultivo no interior. A escassez atingiu até as casas que comercializam os grãos destinados a agricultura.

Por enquanto, a oferta de milho ainda está normal na Paraíba porque boa parte das espigas consumidas aqui é vem de outros estados, a exemplo do Ceará e Rio Grande do Norte.

Nestas localidades, onde também houve ocorrência de chuvas, existem áreas mais preservadas, segundo informações da Secretaria de Agricultura e Pesca Paraibana.

Assessoria
 

Deixe seu Comentário