Uma pesquisa do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) aponta que 89,7%  dos pequenos negócios paraibanos já registraram impactos no seu funcionamento em razão da pandemia do coronavírus. Conforme os números da pesquisa, na Paraíba foram entrevistados 97 empresários, 89,7% deles precisaram interromper ou alterar o funcionamento do negócio em razão da pandemia.

Desse percentual, 47,5% informaram que promoveram mudanças no funcionamento da empresa, enquanto 42,2% decidiram interromper temporariamente as atividades do negócio. Além deles, outros 5,1% dos entrevistados disseram que não mudaram a forma de funcionar, enquanto 5,2% optaram por encerrar de vez as atividades da empresa.

Outro ponto abordado pela pesquisa trata das novas medias que os empreendedores entrevistados resolveram iniciar por causa da crise do coronavírus. Segundo os números, 39% informaram que começaram a realizar vendas online com o uso das redes sociais, 11% a fazerem o gerenciamento das contas da empresa pelo aplicativo do banco e 10% a realizarem vendas por telefone e aplicativos móveis. Nesse mesmo universo, 4% disseram que estão com seus funcionários trabalhando em regime de home office, 4% estão participando de comunidades que são de interesse dos clientes para poder interagir e realizar vendas, 3% fizeram parcerias com empresas locais para entregas ou vendas conjuntas, 3% realizaram pagamento por propaganda na internet e apenas 1% começou a vender através de sites. Já em relação ao futuro, a maior parte dos empresários entrevistados, 45,2%, acredita que a economia deve voltar ao normal em até seis meses.

Outros 36% disseram que isso só deve acontecer em um período entre 7 e 12 meses. Já 17,8% acreditam que a economia vai levar mais de 12 meses para voltar ao normal, enquanto 1% dos entrevistados não soube ou não quis responder. O objetivo da pesquisa, segundo o Sebrae, foi identificar os principais impactos da crise do coronavírus nos pequenos negócios e como os empresários estão se mobilizando para enfrentar a crise.

 

 

Redação

Deixe seu Comentário