Por pbagora.com.br

O ministro Carlos Lupi (Trabalho) anunciou nesta quinta-feira a intenção de conceder parcelas extras do seguro-desemprego a mais 216.500 trabalhadores que foram demitidos em dezembro e janeiro, período de agravamento da crise econômica mundial.

A autorização deverá ser dada pelo Codefat (Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo do Trabalhador) em reunião na próxima semana. Isso representa um desembolso de R$ 263,7 milhões.

São 143.140 trabalhadores demitidos em dezembro e outros 73.360 em janeiro em setores afetados pela crise, como indústria e agricultura.

Outros 103.707 trabalhadores já haviam sido beneficiados pela extensão do benefício e receberão duas parcelas a mais do seguro-desemprego.

Segundo o ministro, essa deverá ser a última extensão do seguro-desemprego, já que, a partir de fevereiro, os números de criação de emprego foram positivos. "Fevereiro já foi positivo e continuo na minha ousadia de afirmar que teremos resultados positivos até o fim do ano", afirmou.

Hoje, o benefício varia de três a cinco meses, dependendo do tempo em que o trabalhador ficou no emprego –o seguro vai de R$ 465 a R$ 870, sendo o valor médio pago de R$ 595,20. Nesse caso, as parcelas podem chegar de cinco a sete meses.

Empregos formais

Segundo dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) divulgados nesta semana, foram criadas 106.205 vagas com carteira assinada em abril, o terceiro mês seguido de recuperação após as demissões registradas com a crise econômica. Trata-se do melhor resultado desde setembro do ano passado.

Entre novembro e janeiro, haviam sido fechadas quase 800 mil vagas com carteira assinada. Houve recuperação a partir de fevereiro, quando foram criados 9.179 empregos, enquanto em março foram abertos 34.818 postos.

Financiamento com recursos do FAT

Lupi proporá ainda ao Codefat dois novos programas de financiamento com recursos do FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador). A primeira será uma linha de R$ 100 milhões para renovação da frota de motos de pessoas que trabalham com o veículo. O segundo destinará R$ 200 milhões para a área de turismo, em um programa que será lançado em parceria com o Ministério do Turismo e englobará recursos para capital de giro e investimentos.

Os recursos deverão ser repassadas pelo Banco do Brasil e pela Caixa Econômica Federal e o governo negocia agora as taxas de juros. "Estamos trabalhando para ser o mais baixo praticado na história do mercado. Eu consigo vencer até os pessimistas, quanto mais a taxa de juros", afirmou Lupi.

O ministro comentou ainda as declarações do presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, de que o desemprego é preocupante e que os níveis de emprego estão voltando aos patamares de 2007.

"A previsão do ministro Henrique Meirelles é muito positiva porque 2007 foi o recorde de geração de empregos. Se for sob esse ângulo, o ministro é mais otimista do que eu", ironizou.

 

 

 

Folha

Deixe seu Comentário