Por pbagora.com.br

A crise atrapalhou, mas as vinte maiores empresas multinacionais brasileiras fecharam 2008 com um aumento em seu nível de internacionalização, segundo ranking divulgado nesta terça-feira (4) pela Fundação Dom Cabral e pela consultoria KPMG.

 

Em termos de ativos concentrados no exterior, as 20 maiores empresas multinacionais brasileiras somaram US$ 201 bilhões fora do país em 2008, com crescimento de 32% em relação ao ano anterior.

De acordo com o levantamento, 25,32% das receitas das 20 maiores empresas transnacionais brasileiras vieram do exterior, um crescimento em relação aos 24,26% que a participação internacional representava dos ganhos das companhias em 2007.

 

Os efeitos da crise sobre a demanda mundial, no entanto, não passaram despercebidos em parte das empresas transnacionais, embora as maiores companhias tenham apresentado crescimento. De um total de 40 empresas pesquisadas, 14 diminuíram seu índice de internacionalização.

 

Liderança

A siderúrgica Gerdau, segundo a pesquisa, foi a empresa que apresentou maior índice de "transnacionalidade", com 63% dos seus ativos no exterior, além de mais de 50% de suas vendas e funcionários fora do Brasil.

Em relação a 2008, a Gerdau teve crescimento de 49% na receita de suas subsidiárias no exterior, de 52% dos ativos estrangeiros e aumentou seu número de funcionários em 24% em 13 países que atua.

Na segunda posição está a fabricante de peças Sabó, que apresenta 40% de suas vendas, 49% de seus ativos e 33% de seus empregados no exterior, como resultado de suas operações em seis países.

O frigorífico Marfrig ocupa a terceira colocação no ranking, e foi a companhia que mais aumentou seus ativos fora do país em 2008, com uma expansão de 358% em relação a 2007.

Conforme o levantamento, a expansão porque a companhia ativos de 20 subsidiárias na Europa e na América do Sul no período.

 

 

 

G1