Por pbagora.com.br

O fluxo de dólares entre o Brasil e o exterior ficou positivo em US$ 1,27 bilhão em julho, segundo dados do Banco Central. Isso significa que, nesse período, houve mais dólares entrando do que saindo do país.

Esse movimento é um dos fatores que vem empurrando a cotação da moeda norte-americana para baixo nos últimos meses. Às 11h43 desta quarta-feira, a moeda era vendida a R$ 1,836.

O número apurado pelo BC é a diferença entre as operações nas áreas comercial e financeira. Na área comercial, o fluxo ficou negativo em US$ 2,833 bilhões.

O BC considera também nessa conta os dólares que entram por meio de operações financeiras, como aplicações, investimentos, gastos e remessas. Nesse caso, o fluxo ficou positivo em US$ 4,103 bilhões.

Segundo o BC, algumas empresas estão trazendo de volta ao país os recursos de exportações que estavam no exterior para contratar operações de importação. Isso provoca uma piora na conta comercial e uma melhora no saldo financeiro, por onde entraram esses dólares.

No acumulado do ano, o fluxo cambial está positivo em US$ 3,935 bilhões. No mesmo período do ano passado, estava positivo em US$ 12,44 bilhões.

Entre janeiro e julho, saíram do país US$ 6,059 bilhões na área financeira. Esse resultado negativo foi compensado pela entrada de US$ 9,995 bilhões no comércio exterior.

Intervenções

O Banco Central também informou hoje ter comprado US$ 2,164 bilhões em julho no mercado de dólar à vista. Essas compras são aquelas que afetam o nível das reservas internacionais, que alcançaram o nível recorde de US$ 210 bilhões.

O BC também registrou o retorno para as reservas de empréstimos em dólares que venceram nesse período. Foram US$ 1,5 bilhão de operações de recompra, que voltaram no dia 1º de julho, e US$ 949 milhões de empréstimos ao longo do mês.

Folha

Notícias relacionadas

Especialista prevê que a partir de agora comércio será híbrido, com lojas físicas e virtuais

As formas de consumo mudaram e para o presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado da Paraíba (Fecomércio), Marconi Medeiros, a pandemia provocada pelo novo…

Mais de um milhão de paraibanos estão endividados

Iniciar o ano com o nome sujo não é bom para ninguém, principalmente diante desse cenário de pandemia e fechamento de comércio. Por isso, é sempre bom estar com o…