A Paraíba o tempo todo  |

Especialistas dão dicas de como sair das dívidas rapidamente; número de endividados na PB chegou a 1,1 milhão

A falta de planejamento financeiro é um dos grandes responsáveis pelo alto índice de inadimplência no país. Mapa da Inadimplência e Renegociação de Dívidas no Brasil divulgado este mês pelo Serasa mostrou que o cartão de crédito responde por 29% das causas de dívidas entre os trabalhadores, seguido por utilities (23,3%) e varejo (13,20%). Na Paraíba, a realidade não é diferente o número de devedores chegou a 1.133.539 pessoas, que somaram R$ 3,410 bilhões em contas.  Os economistas Ricardo Tulio e Edivani Sousa, dão dicas de como sair das dividas.

O levantamento apontou também que o número de endividados em agosto no país chegou a 62,248 milhões de pessoas. Se comparado a julho, que registrou 62,223 milhões, o quadro se manteve estável. A boa nova é que, 27% dos brasileiros conseguiram parcelar as dívidas em agosto. Na Paraíba, o número de devedores chegou a 1.133.539 pessoas, que somaram R$ 3,410 bilhões em contas. O ticket médio por pessoa chegou a R$ 3.008 e por dívida alcançou a marca de R$ 1.135.

Para encerrar o ciclo de mau endividamento de uma vez por todas, segundo Ricardo, é preciso aprender a equacionar melhor seus gastos partindo do quanto você recebe mensalmente e o quanto possui de dívidas. “Com isso em mãos, elabore um planejamento financeiro e trace prioridades de pagamentos. Especialistas indicam a formulação de uma lista ou tabela para inserir todos os compromissos financeiros e ter uma visualização mais ampla de como poderá lidar com seus custos mensais, definindo uma estratégia para a quitação das dívidas antigas. A principal dica sobre como sair das dívidas é acabar com os débitos que possuem juros maiores, como o cheque especial, trocando por dívidas mais baratas. Outra possibilidade é renegociar a dívida diretamente com o credor”, comentou. 

Como renegociar dívidas – Para Edivani, renegociar dívidas é, sem dúvida, um dos principais caminhos para conquistar a tão sonhada saúde financeira. A renegociação pode ser ser feita diretamente com o credor, seja em feirões para limpar o nome sujo, ou por meio do refinanciamento de dívida – e portabilidade de uma instituição para outra.

“A dica mais importante é procurar canais oficiais do agente financeiro em que o crédito foi contratado – até para evitar cair em fraudes. Um ponto positivo é que, na maioria dos casos, é possível fazer a solicitação de renegociação de forma totalmente online, além de realizar as simulações das novas condições de empréstimo. Antes de renegociar, no entanto, é importante tentar entender o cenário em que está inserido e qual será a melhor maneira de fazer isso. Isso porque o não pagamento da dívida renegociada com o credor pode ser ainda pior para você. Fique atento”, disse.

Dívidas de banco – Se você tem uma dívida pendente com o banco, o primeiro passo é conversar com o seu gerente e tentar negociar a melhor forma de pagamento.  De acordo com os especialistas, em geral, as instituições costumam facilitar esse tipo de negociação, já que elas são as principais interessadas no pagamento da dívida.  Para a negociação, é importante entender quanto do seu orçamento mensal pode ser comprometido com o pagamento da dívida. Com isso, é possível fazer uma proposta ao banco, que seja vantajosa para ambos.

“A dívida de cartão de crédito é uma das mais caras do mercado – atrás apenas do cheque especial. Os juros, por exemplo, chegam a mais de 300% ao ano de acordo com o Banco Central. Analisando esses dados, não restam dúvidas: o pagamento desse tipo de dívida deve ser uma prioridade no orçamento. Negocie com a operadora de cartão de crédito e busque uma alternativa de pagamento que caiba no seu bolso. O agente financeiro tem tanto interesse quanto você na quitação do débito e costuma facilitar o pagamento, seja com parcelas mais flexíveis ou com a redução da taxa de juros”, afirma Ricardo.

Da Redação

    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      25
      Compartilhe