Por pbagora.com.br

O desemprego ficou em 13,0% no trimestre encerrado em junho, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (28) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), por meio da pesquisa Pnad Contínua. No período, o Brasil tinha 13,5 milhões de desempregados.

Trata-se de um recuo de 0,7 ponto percentual em relação ao trimestre terminado em março de 2017. Ao olhar esta base de comparação, foi a primeira queda estatisticamente importante desde o trimestre terminado em dezembro de 2014, diz o IBGE.

Mas frente ao mesmo trimestre de 2016, a taxa continua 1,7 ponto percentual maior, quando o desemprego estava em 11,3%. Já no trimestre terminado em maio, a taxa de desocupação era de 13,3%.

"É o primeiro movimento significativo de redução de taxa de desocupação em quase três anos. Isso, claro, é positivo", afirmou o coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, Cimar Azeredo.

No Twitter, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse que a geração de empregos deve ganhar força no segundo semestre. "Dados do IBGE mostram que desemprego recuou pelo terceiro mês seguido em junho, efeito da política econômica sobre o mercado de trabalho. A criação de novas vagas de trabalho deve se intensificar ao longo do segundo semestre, com a retomada da atividade econômica e confiança. Dados mostram ainda melhora nos salários em relação a junho de 2016. Os ganhos acima da inflação trazem expansão da renda das famílias. Essa dinâmica ajudará a retomada do consumo das famílias, do investimento e de novas contratações por parte das empresas", escreveu.

A taxa de desemprego é medida pelo IBGE por meio de uma média móvel trimestral, ou seja, de três meses, portanto, o dado de junho se refere ao período de abril a junho. O instituto divulga a taxa mensalmente.

 

G1

Deixe seu Comentário