Por pbagora.com.br

A conta de luz voltou a pesar no bolso no início de agosto. Com alta de 4,14% na primeira semana do mês, a tarifa de eletricidade residencial exerceu a maior influência de alta sobre o Índice de Preços ao Consumidor – Semanal (IPC-S), que ficou em 0,36%, acima da taxa de 0,34% registrada no final de julho.

A alta no preço da eletricidade levou a taxa de habitação a passar de 0,66% para 0,72%, segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV). A taxa de 0,72% foi a maior entre os sete grupos pesquisados.

Também teve alta, na passagem da última semana de julho para a primeira semana de agosto, a taxa do grupo alimentação, de 0,18% para 0,21%. Vieram do grupo quatro das cinco maiores influências de alta sobre o IPC-S: mamão papaya (23,69%), pimentão (26,11%), alho (11,69%) e melancia (20,76%).

Na mesma direção, ficaram maiores as taxas dos grupos educação, leitura e recreação (de 0,06% para 0,12%), transportes (de 0,21% para 0,30%) e saúde e cuidados pessoais (de 0,29% para 0,31%).

A inflação perdeu força em apenas dois grupos: vestuário (de 0,43% para 0,06%) e despesas diversas (de 0,11% para -0,02%).

 

 

 

G1

Notícias relacionadas

Pessoas com câncer terão direito a atendimento prioritário, na PB

A Lei que garante atendimento prioritário às pessoas em tratamento oncológico nos estabelecimento da Paraíba, entra em vigor nesta terça-feira (20. A lei foi publicada no Diário Oficial do Estado…

Saiba quem recebe nesta terça-feira o Auxílio Emergencial

Hoje (20), a Caixa Econômica Federal (CEF) realiza o pagamento do Auxílio Emergencial para os beneficiários nascidos em julho. As parcelas, que podem variar de R$ 150 a R$ 375,…