Em entrevista a imprensa o presidente do Sindicato dos Comerciários de Campina Grande, José do Nascimento Coelho, criticou um ato que aconteceu na cidade, na manhã ontem (27), aonde um grupo de funcionários pediam ao prefeito Romero Rodrigues (PSD) a reabertura do comércio campinense. Segundo Coelho, os funcionários foram obrigados a se fazerem presentes a pedido dos patrões.

Coelho criticou o ato, que na opinião dele, desrespeitou as recomendações dos órgãos de saúde, por ter aglomerado pessoas em via pública. Segundo ele, o que aconteceu atende a um setor do empresariado campinense, que quer confrontar as recomendações do Ministério Público da Paraíba(MPPB) e Ministério Público do Trabalho(MPT), além da decisão judicial, que indeferiu o pedido de reabertura do comércio, impetrado pela Câmara de Dirigentes Lojistas(CDL).

O representante da classe diz que poucos estavam presentes no ato, e que os empresários estavam expondo a saúde dos comerciários, inclusive a situações, que na ótica dele, foram consideradas “ridículas”. “Você expor trabalhadores a se ajoelharem de frente as lojas. Eu não vi nenhum empresário ajoelhado”, disse.

O sindicalista diz que há um verdadeiro terrorismo, na divulgação de que houveram mais de 5 mil demissões no comércio, e questiona o fato de não achar esses dados atualizados no Caged ( Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) . “Você não pode confundir suspensão do contrato, que é o que está acontecendo em alguns setores, com demissões”, frisa.

“No comércio, pelo menos, não teve 5 mil demissões. Só se foi em toda Campina Grande, porque os dados do Caged, referentes ao mês de Abril, ainda não foram divulgados. Aliás, nem o de março ainda foi divulgado”, disse, reafirmando desconhecer esse número de demissões na cidade.

O presidente diz que entidade se posiciona, seguindo as orientações do Ministério da Saúde e da Organização Mundial da Saúde(OMS), para que se atente aos estabelecimentos que estão descumprindo a recomendação de não abrir, exceto, os que são considerados serviços e produtos essenciais.

Ainda sobre o ato, na Rua Maciel Pinheiro, Coelho diz que recebeu denúncias, dando conta que funcionários foram coagidos a participar, o que caracteriza, em sua opinião, assédio moral. O sindicalista diz que o sindicato defende a reabertura, com algumas condições, no dia 4 de maio: Fornecimento de EPI’s aos funcionários e as regras de distanciamento nos estabelecimentos.

Redação 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Receita paga mais de R$ 29 mil no 1º lote de restituições para contribuintes da PB

A Receita Federal paga nesta sexta-feira (29) o primeiro lote de restituição do Imposto de Renda de Pessoa Física 2020, relativo ao ano-base 2019, para 12.181 contribuintes da Paraíba. O…

Saque do auxílio emergencial é liberado a partir deste sábado; veja o calendário

Os repasses dos auxílios emergenciais não vão parar! A Caixa vai abrir neste sábado (30), das 8h às 12h, para atendimento aos beneficiários que receberam a primeira parcela até 30…