Por pbagora.com.br

O prefeito de Campina Grande, Bruno Cunha Lima (PSD), anunciou em entrevista, algumas das mudanças no novo decreto do Município para conter o avanço da Covid-19. Bruno ressaltou que a cidade terá um decreto próprio de medidas restritivas para evitar a disseminação da covid-19.

Ele garantiu que o decreto municipal será diferente do estadual e já adiantou que não deve haver toque de recolher na cidade.

Segundo Bruno Cunha Lima, o decreto municipal será mais rígido do que o estadual em alguns pontos e mais flexível em outros, porém sem o toque de recolher.

”Toque de recolher eu considero uma excrescência. A nossa constituição só prevê toque de recolher se houver estado de sítio”, comentou.

Entre as mudanças, está a redução doss horários de funcionamento dos bares e restaurantes, que só poderão funcionar até às 22h. Bruno explicou também que deve haver um escalonamento de horários no Centro, com algumas atividades iniciando às 7h, outras às 8h e outras às 9h. A medida visa reduzir a lotação de ônibus.

Outra diferença em relação ao decreto estadual, é que o prefeito não pretende proibir atividades religiosas presenciais em Campina Grande. A pretensão do gestor é permitir a abertura das igrejas com 40% da capacidade.
Ele explicou que a cidade foi uma das primeiras a reconhecer as igrejas como serviços essenciais e que as atividades presenciais funcionarão com público reduzido.

O público que frequenta shoppings e galerias também será reduzido para 40% da capacidade desses locais, mas o prefeito não pretende reduzir horários ou fechar esses locais durante o fim de semana, conforme determinado no decreto estadual. ”O governador decidiu fechar serviços não essenciais durante os fins de semana, mas eu acho que todo trabalho que coloca comida na mesa do trabalhador é essencial”, comentou.

O prefeito de Campina Grande, Bruno Cunha Lima, esteve nesta quarta-feira no Poder Legislativo durante a sessão ordinária, quando adiantou alguns pontos o decreto que vai divulgar acerca do agravamento da pandemia no Estado.

Para Bruno, a redução de horários em alguns segmentos mais atrapalha do ajuda.

– Vamos regulamentar o horário de funcionamento do comércio na área central de Campina Grande – antecipou.

Severino Lopes
PB Agora

Notícias relacionadas

Especialista prevê que a partir de agora comércio será híbrido, com lojas físicas e virtuais

As formas de consumo mudaram e para o presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado da Paraíba (Fecomércio), Marconi Medeiros, a pandemia provocada pelo novo…

Caixa paga 1ª parcela do Auxílio 2021 para os nascidos em maio

A Caixa Econômica Federal (CEF) paga nesta quinta-feira (15) a primeira parcela do Auxílio Emergencial 2021 a beneficiários nascidos em maio e que não fazem parte do Bolsa Família. Também…