Por pbagora.com.br

 Neste sábado, 21, terá início na Usina Cultural Energisa, o já tradicional Festival do Japão na Paraíba. Realizado desde 2005, pela Associação Cultural Brasil Japão (ACBJ-PB), esta é a terceira vez que o festival acontece em parceria com a Energisa e o Consulado do Japão de Recife.

 

Para esta edição o Consulado do Japão de Recife está trazendo a exposição Furoshiki – Eco-bag tradicional do Japão, e oficina da arte do embrulho com lenços. As peças da exposição são originárias de dois acervos: FUROSHIKIs da Fundação Japão em São Paulo, com 12 peças criadas pelos estudantes universitários de design, comemorativos ao Ano de Intercâmbio entre o Japão e os diversos países, incluindo quatro peças criadas por brasileiros, e FUROSHIKIs variados, do acervo do Consulado do Japão de Recife e de uma colecionadora particular de estampas e figuras tradicionais. A exposição fica em cartaz no hall do Espaço Energia até 10 de outubro, de terça a domingo, das 14h Às 20h, com entrada gratuita.

 

O Furoshiki é uma técnica tradicional, que através da reutilização, diminui os desperdícios e os impactos ambientais causados pelo uso abusivo e descarte intensivo de papéis de presentes e sacolas plásticas. Furoshiki é: estilo de vida, respeito à natureza, liberdade, arte, equilíbrio, partilha, alegria, otimismo, integração e solidariedade (Yabiku).

 

Furoshiki (Furo = banho + Shiki = abrir, cobrir, espalhar) é o nome, em japonês, de um quadrado de tecido, em estampas especiais, utilizado em embrulhos e embalagens, apropriados para o porte (carregar consigo) de qualquer objeto, com a função de uma sacola e é usado no quotidiano japonês desde a antiguidade. O tamanho varia bastante, de acordo com a sua destinação. Os mais comuns são de 45, 68 e 72cm.

 

Os registros de sua utilização datam do período Nara (710 a 794 DC). Atualmente é reconhecido no Japão e em alguns países como ECO-BAG. Existem muitas formas de se utilizar o furoshiki para embalar e carregar os mais diversos objetos, e as técnicas variam conforme o formato do objeto, mas sempre resultando num charmoso e diferente modo de carregar coisas, de forma ecológica.

 

Em nove anos de existência, a ACBJ-PB realizou sete edições do festival, incorporando-se ao calendário cultural da cidade de João Pessoa. Todas as edições atraíram milhares de pessoas, sobretudo, estudantes, que apreciaram palestras, filmes, exposições e oficinas de origami, ikebana, mangá, shodô, idioma, arquitetura, artes marciais, jardinagem, culinária, música e dança tradicional, trazendo expressões inéditas da música clássica japonesa (koto, shakuhachi e shamisen), poesia, cerâmica, cerimônia de chá e taiko da comunidade nipo-brasileira de São Paulo.

 

No sábado, 21, a programação começa às 9h com Oficina de Ikebana(Arranjo floral) e ensaio aberto de Taiko, até o meio dia. Das 14h às 17h terão oficinas de Mangá e Origami, Ensaio aberto do coro Hatsuhinode e do show Kana Aoki. A abertura oficial do festival será às 19h com apresentação dos grupos de música tradicional japonesa Tatakinam, Jampakoto, Hatsuhinode, da cantora Kana Aoki, e inauguração da exposição de Furoshiki no hall do Espaço Energia com a presença de autoridades. A abertura será encerrada com coquetel e sake.

 

Para o dia 22 o festival preparou um show com a compositora e cantora japonesa Kana Aoki, em apresentação única. Kana percorreu seu país cantando a música brasileira até 1995, quando se mudou para São Paulo, vencendo Festivais, com seu xote “Bye Bye, Japão”, em parceria com Léo Nogueira (1999 e 2001) e o baião “Doki-doki” (2001). Fez turnês internacionais pelo Japão, Itália e Espanha, cantando suas músicas e as de Luiz Gonzaga. Em 2004, sua valsa “Raízes” foi a canção-tema do documentário de Shigeru Kobayashi, vencedor do Festival Mainichi Shinbun, o mais importante do Japão. Seus discos gravados são: “Do Japão ao Ceará” (2001), “Imitação” (2004), “Imigrante” (2008), pela Koala Records, e “Em obras” (2013). No último CD de Zeca Baleiro, considerado o disco do ano, foi gravada sua música “O amor viajou”, em parceria com o autor do CD.

 

Serviço:

 

VIII Festival do Japão na Paraíba

Dias 21 e 22 de setembro

Das 9h às 21h

Ingresso: R$ 5,00 (preço único)

Usina Cultural Energisa

Av. Juarez Távora, 243 – Torre

Tel: 3221 6343 / 9174 1797

comunicacaopb@energisa.com.br

 

Ascom