A Paraíba o tempo todo  |

Irã nega proibição de livros de Paulo Coelho

O governo iraniano negou oficialmente na manhã desta quinta-feira ter proibido a venda de livros do escritor brasileiro Paulo Coelho no Irã.

A notícia foi transmitida à Folha pela Embaixada do Irã em Brasília, que estava sendo pressionada pelo governo brasileiro a se explicar sobre a acusação feita por Coelho em seu blog na segunda-feira.

A embaixada está avaliando a possibilidade de emitir um comunicado sobre o caso.
 

Um diplomata iraniano afirmou que o relato do suposto veto causou surpresa nas autoridades de Teerã.

Segundo o funcionário, qualquer tentativa de banir a obra de Coelho seria inócua, já que milhões de livros do autor são vendidos há anos no país.

Coelho disse ter recebido a notícia da suposta proibição de seu livro por meio de seu amigo e editor em língua persa, o oposicionista Arash Hejazi.

Hejazi vive na Europa desde 2009, quando fugiu do Irã após participar do socorro à jovem Neda Agha-Soltan, morta durante os protestos ocorridos após a controversa reeleição do presidente conservador Mahmoud Ahmadinejad.

A editora de Hejazi (Caravan, com sede em Teerã) continuou funcionando.
 

 

Folha

PUBLICIDADE
    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe