Os mistérios que rondam o mundo sobrenatural. Por trás das paredes de uma casa mal assombrada, coisas entranhas e inexplicáveis acontecem. Uma família em conflito e manifestações que atormentam a vida de todos em meio a uma dose forte de suspense. Esse é o pano de fundo do curta “A Hóspede”, da diretora campinense Irene Ponciano. O curta, com lançamento previsto para o próximo dia 21 de março, no Cine Teatro São José, é mais uma produção audiovisual apoiada pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), através da Coordenadoria de Comunicação (Codecom) e do Festival Audiovisual de Campina Grande – Comunicurtas UEPB.

“A Hóspede” é uma ficção recheada de suspense, que fala do sobrenatural e dos mundos paralelos. O filme conta a história de uma família atormentada. A personagem principal, Lena é obrigada pela sogra, já falecida, a cumprir um pacto com ela. Adolfo, seu marido, e Rosa, sua filha, sofrem os efeitos desse pacto sem nada saberem. O mistério é desvendado pela curiosidade de Rosa, o que desagrada a avó falecida, que passa a aterrorizar a neta. Ao saber do que está acontecendo, Lena vira o jogo e manda a sogra direto para o além.

O curta de 20 minutos é um projeto concebido há dois anos, com cenas gravadas em Campina Grande, notadamente na Central de Integração Acadêmica da UEPB, e no vizinho município de Lagoa Seca. Atriz, diretora e comediante, Irene Ponciano, que também assina o roteiro do filme, disse que trouxe o sobrenatural para as telas por ser um tema assustador mas que faz parte do cotidiano das pessoas que, sem saber, têm várias mentes paralelas. “São esses mundos paralelos que normalmente a gente vive a todo o momento, seja em sonho, seja na vida real ou em seus pensamentos”, destacou.

A ficção é marcada por efeitos especiais e traz no elenco as atrizes Arly Arnaud, Lizandra Vasconcelos, Joh Albuquerque, Wenia Medeiros, Raone Santos, Futura Leonardo e o ator Daniel Santos. Atuam como figurantes: Elisabeth Feliciano, Dayane Medeiros, Gutemberg Castro, Crisleide Castro, Eduarda Silva, Branco Ishihara. O curta conta com a presença de profissionais de Campina Grande e outros estados brasileiros. A direção de fotografia é de Haniell Lucena; assistência de fotografia, Aislan Breno; e produção de Hipólito Lucena e Ypuarana Cultural.

A assistência de direção é de Magna Fontes; direção de arte de Gedeão Ferreira; e trilha sonora de Jorge Ribbas. Edição e montagem de Silvio Toledo e tradução assinada por Sandra Dutra. Atuam como assistentes de produção: Ana Carolina, Aline Herculano e Rebeca Souza. “A Hóspede” é o segundo filme de Irene Ponciano, que inicialmente dirigiu o curta “A Maldição de Clarice”.

O coordenador de Comunicação da UEPB e do Festival Comunicurtas, jornalista Hipólito Lucena, destacou que ao longo dos últimos anos a Universidade tem se destacado por incentivar a produção audiovisual paraibana, com recorte mais próximo para Campina Grande, a partir do seu festival, nascido de uma ação de estudantes e que a Instituição acolheu desde o primeiro momento. Ele enfatizou que o Comunicurtas, que em 2020 completa 15 anos de existência, sempre acolheu iniciativas voltadas para a sétima arte e ressaltou que a UEPB tem procurado dar um caráter pedagógico a produção audiovisual, cumprindo seu papel de formação, repasse de saberes, troca de conhecimento e interações. “Isso, de certa forma, se encaixa no pensamento da Universidade e, mais especificamente, do Comunicurtas, que tem esse caráter didático-pedagógico permanente”, destacou.

Assessoria

Deixe seu Comentário