Por pbagora.com.br

A família da adolescente Jacqueline Ruas, morta há exato um ano dentro de um avião na volta para o Brasil, entrou com uma ação por danos morais e materiais contra a Agência de Turismo Tia Augusta, responsável pelo passeio da jovem de 15 anos à Disney. Há ainda mais dois réus no caso. A menina chegou morta ao Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, na Grande São Paulo, e só ali os parentes souberam do óbito.

Passado um ano do caso, pouca coisa mudou. O inquérito aberto pela Polícia Federal no aeroporto ainda não foi finalizado e a família de Jacqueline afirma não ter tido nenhum apoio da agência Tia Augusta.

“A gente achava que era melhor ter o inquérito pronto, mas, em vista da demora e da nossa ansiedade, queríamos avançar em alguma coisa”, contou nesta segunda-feira (2) Magda Paz, tia da menina, justificando o processo.

“Essa ação é uma prova de que a gente não está quieto. Nada vai trazer a Jacque, mas a gente não pode ficar esperando”, completou Magda. Na noite desta segunda, parentes e amigos da adolescente, que viajava sozinha para o exterior pela primeira vez, marcaram uma missa em São Caetano do Sul, no ABC, onde moram.

Em nota, a Polícia Federal informou apenas que a investigação “encontra-se na sua fase final”. O inquérito é presidido pelo delegado Giovani Celso Agnoletto.

Na Justiça

Renato Tucunduva é o advogado que defende a família da jovem. Ele informou que a ação por danos morais e materiais pede R$ 1 milhão em indenização e tem três réus: a Tia Augusta, a Copa Airlines, pela qual Jacqueline embarcou, e o hospital Celebration, em Orlando, onde ela fez um primeiro atendimento. “Todos agiram com negligência. Entramos com essa ação em junho e ela tem um efeito pedagógico, que é evitar que isso aconteça de novo”, explicou.

Segundo Tucunduva, a defesa procurou a Tia Augusta, por meio de uma notificação em cartório, para que as partes entrassem em um acordo, mas não houve resposta. “Eles ficaram quietos. Ela (Jacqueline) tinha pneumonia e embarca. Não dá para entender. O raio-x do pulmão revela a pneumonia”, ressaltou Tucunduva.

Resposta da Tia Augusta

A agência de turismo também só respondeu por meio de nota. No comunicado, informou que “fez tudo o que estava em seu alcance para que a saúde da jovem fosse preservada no episódio” e que, desde o início, “sempre se dispôs a transmitir com a transparência todas as informações sobre o caso e durante este último ano não houve novidades além do que foi divulgado na época”. A assessoria de imprensa informou não saber sobre o processo na Justiça.

Magda refutou. “Eles nunca nos procuraram. Quem ficou com a situação de dor fomos nós. Para a Tia Augusta está tudo bem”, criticou a consultora de marketing. O descontentamento dela não é menor com relação à Polícia Federal.

“A investigação está totalmente paralisada porque o inquérito não é finalizado e eles não nos posicionam sobre quando isso vai acontecer. Sempre nos prestamos a fazer o melhor para que as coisas andassem e recebemos respostas vazias”, afirmou Magda.

O caso
Jacqueline viajou com as amigas para a Disney no dia 20 de julho de 2009, em uma excursão com outras 28 pessoas. De acordo com o que a Tia Augusta contou na época, no dia 28 de julho, a adolescente começou a apresentar os primeiros sintomas de gripe, como tosse e febre.

O seguro-saúde da agência foi acionado e a adolescente foi atendida por uma médica americana que receitou um antitérmico para a febre, um antibiótico e o Tamiflu, remédio indicado contra a nova gripe. A agência informou que, apesar disso, a menina não tinha os sintomas da doença causada pelo vírus influenza A (H1N1).

Na madrugada do dia 31 de julho, ainda de acordo com a empresa, a jovem foi a um hospital porque o caso dela se agravou. Ali, foi submetida ao teste da nova gripe e a Tia Augusta afirmou que deu negativo. Os médicos liberaram a garota, mesmo tendo atestado quadro de pneumonia. Ela morreu dois dias depois, no dia 2, em pleno voo vindo do Panamá (país de escala) para São Paulo.

Guia sem cadastro
Dias após a morte de Jacqueline, o G1 apurou que o Cadastur, cadastro do Ministério do Turismo no qual constam os profissionais da área registrados, não incluiu o nome de Gisele Martins dos Santos. Ela foi apontada pela Tia Augusta como a pessoa que acompanhou o grupo na Disney.

“Estar nesse cadastro é obrigatório. É o que confere à pessoa atuar profissionalmente”, explicou, na ocasião, Ricardo Moesch, diretor de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico do Ministério do Turismo.

Procurado nesta segunda, o Ministério do Turismo voltou a informar que o nome de Gisele, como foi apresentado à imprensa pela Tia Augusta, ainda não consta desse banco de dados. Gisele é dona de uma pousada na Bahia.

G1

 

Notícias relacionadas

Mortes de grávidas e de mães de recém-nascidos por Covid dobram em 2021, aponta estudo

O número de mortes de gestantes e de mães de recém-nascidos, (puérperas) por Covid-19 mais do que dobrou em 2021 em relação à média semanal de 2020, apontam dados do…

TSE prevê compra de 176 mil urnas eletrônicas para eleições de 2022

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) realiza na sexta-feira (16) uma audiência pública sobre a compra de até 176 mil urnas eletrônicas adicionais para as eleições de 2022. A audiência é…