Por pbagora.com.br

Imagine quanto um táxi em São Paulo, a maior cidade do país, roda em média por dia e quanto ele gasta de combustível. É bastante, certo? Então saiba que o Senado gastou de junho a agosto combustível suficiente para que este mesmo táxi rodasse por 18 anos.

O cálculo feito pelo R7 teve como base apenas o que os 81 senadores desembolsaram em postos de gasolina com o dinheiro extra que recebem todo mês para bancar despesas do mandato, a chamada verba indenizatória. Hoje, esse valor é de R$ 15 mil e serve também para alugar escritórios no Estado de origem, fazer viagens, pagar restaurantes, consultorias e propaganda em jornais, rádio, TV e internet.

Nos últimos três meses, foram mais de R$ 330 mil usados para abastecer os carros dos senadores e de assessores em visitas a cidades dos Estados de origem, fora de Brasília. Até porque na capital federal cada senador já tem direito a um carro com motorista e não precisa se preocupar com a gasolina.

Esse valor é suficiente para garantir o tanque cheio de um táxi durante 18 anos, considerando que um taxista gasta em média R$ 1.485 por mês em São Paulo rodando 200 km por dia e pagando R$ 2,476 o litro da gasolina num carro que faz 10 km por litro. Para obter esses valores, o R7 cruzou dados do Sindicato dos Taxistas Autônomos de São Paulo, pela Fetacesp (Federação dos Taxistas Autônomos do Estado de São Paulo) e de alguns taxistas da cidade.
 

Chegar a estes números só foi possível porque desde junho os senadores são obrigados a divulgar as notas fiscais (saiba como fiscalizar). A medida foi aplicada para as notas recolhidas pelos senadores a partir de abril, que também estão no site. Antes disso, as despesas eram justificadas apenas pelas categorias a que elas se referiam, como divulgação, locação de imóveis, telefones, entre outros, o que dificultava em muito saber para onde esse dinheiro ia de fato.

 

R7