Por pbagora.com.br

O presidente da Comissão de Educação do Senado, Flávio Arns (PSDB-PR), afirmou nesta quinta-feira (1º) que irá convidar o ministro da Educação, Fernando Haddad, para falar sobre o vazamento da prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que deveria ser realizada neste fim de semana.

 

O senador avalia que o caso é grave, mas apoia a decisão do Ministério da Educação em ter cancelado o teste tão logo veio à tona a notícia da fraude. Arns afirma que já entrou em contato com o ministério e aguarda um retorno do ministro para agendar uma data para a reunião.

 

Flávio Arns quer saber o que provocou o vazemento da prova, por quais processos a elaboração da prova passa e quais setores do ministério têm acesso ao material. “A populaçao tem que ter absoluta confiança de que a prova é algo lícito, sem falcatruas”, justificou Arns.

Vazamento

O Ministério da Educação e Cultura (MEC) cancelou na madrugada a prova do Enem, disse a assessoria de comunicação social do MEC, que confirmou também que a decisão partiu do ministro Fernando Haddad, após conhecer denúncia feita pelo jornal “O Estado de São Paulo”, de que a prova teria vazado.

Cerca de 4,1 milhões de candidatos realizariam o exame. A expectativa do MEC é realizar a próxima prova, que tem como responsável o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), em 45 dias.

O jornal “O Estado de São Paulo” denunciou que foi procurado por um homem que disse ter as duas provas que seriam aplicadas no sábado (3) e no domingo (4), e que queria vender o material por R$ 500 mil.

 

 

G1

Notícias relacionadas

Do Psol a bolsonaristas, políticos lamentam morte de Bruno Covas

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB) morreu neste domingo (16), no Hospital Sírio-Libanês, onde estava internado desde início de maio para tratamento imunoterápico contra o câncer. A doença foi descoberta em…