Por pbagora.com.br

Pesquisadores da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) lançaram um boletim sobre as chuvas ocorridas no Brasil durante o ano de 2020. De acordo com o relatório, foram analisados dados de 1.334 estações do Centro Nacional de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais (CEMADEN).

O levantamento feito pode verificar a probabilidade de ocorrência de desastres naturais, como deslizamentos de terra, alagamentos e inundações. Na Engenharia, pode auxiliar em obras hídricas, como as redes de drenagem.

Segundo o estudo, a precipitação média anual do território brasileiro foi de 1.495 mm. A precipitação máxima anual foi registrada na região Norte do país, mais especificamente no estado do Pará, com um valor de 3.868 mm. Já a precipitação mínima anual foi registrada no semiárido da Bahia, com um valor de 365,8 mm.

 

As informações mostram que as 10 estações que registraram maiores precipitações localizam-se nas regiões Norte e Sudeste do país, enquanto as estações com os 10 menores registros de chuva encontram-se na região Nordeste do Brasil.

“Por meio desse boletim a sociedade poderá ter acesso a informações técnicas sobre a chuva em todo o Brasil, em diversas escalas de tempo e de maneira simples. Alunos do ensino médio, de escolas públicas e particulares, podem utilizar o boletim para extrair informações sobre a chuva nas diversas regiões do território brasileiro. As próprias agências governamentais federais, estaduais e municipais podem acessar os dados, para entender o que aconteceu na sua região em termos de chuva. Para entender esses dados o leitor não precisará mais ler uma dissertação de mestrado ou tese de doutorado, pois o boletim fornece uma visão geral da chuva no Brasil”, destacou o Prof. Cristiano das Neves Almeida, do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental da UFPB e coordenador responsável pela pesquisa.

No estudo, além das precipitações anuais (soma de todos os registros de precipitação ocorridas em uma estação durante o período de 1 ano), também foram analisadas precipitações diárias (soma das precipitações ocorridas entre 9h de um dia e 9h do outro dia) e horárias (soma das precipitações ocorridas em um intervalo de uma hora).

O professor Cristiano ainda destacou o sucesso da pesquisa. Cinco dias após o lançamento do boletim, ele já somava quase 700 visualizações. Grande parte dos acessos são de pessoas fora do ambiente acadêmico.

O documento foi lançado em março de 2021. Também participaram da pesquisa o professor Victor Coelho, os doutorandos Emerson Freitas e Geraldo Moura, os mestrandos Marcela Meira e Filipe Carvalho – todos vinculados ao Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil e Ambiental (PPGECAM) – e o discente do curso de Engenharia Civil, Abner Lins, em cooperação com pesquisador Javier Tomasella, do Centro Nacional de Monitoramento e Alerta a Desastres Naturais (CEMADEN).

“Queremos mostrar à sociedade o trabalho de qualidade que nós realizamos. Assim, o trabalho dos professores, mestrandos e doutorandos da UFPB ganhará visibilidade frente à comunidade não científica”, explicou o Prof. Cristiano.

Redação com UFPB

Notícias relacionadas

Bolsonaro diz que eleitor que vota em Lula “merece sofrer”

Nesta segunda-feira (19), o presidente Jair Bolsonaro declarou, durante contato com seus apoiadores no Palácio da Alvorada que aquelas pessoas que votam no ex-presidente Lula merecem sofrer. A justificativa dada…

Covid: variante de Manaus-AM faz explodir intubação de jovens no país

O avanço da variante P.1, descoberta em Manaus em janeiro, levou a cidade de São Paulo a mudar sua orientação para todos aqueles que forem infectados por coronavírus. Agora, eles…