O presidente Jair Messias Bolsonaro não acerta uma. Pense num “mito” desorientado!..

A sua mais nova preocupação externada em público vai bater o recorde dos equívocos de sua gestão à frente do governo brasileiro: a descriminalização do trabalho infantil no Brasil, na contramão dos tempos atuais e da nossa Carta Magna. Mas que isso: se opondo a uma concepção e orientação universais que se manifestam em movimentos sociais, palestras, discussões, legislações compatíveis dos novos tempos no Plenário da ONU.

Curioso foi o argumento de que o presidente lançou mão para justificar a sua proposta ridícula: o surrado chavão “o trabalho dignifica o homem e a mulher, não interessa a idade”.

Convém lembrar que dois provérbios bastante conhecidos têm tudo a ver com o nazismo: este de que “o trabalho dignifica o homem” e o outro segundo o qual “ninguém faz a omelete sem quebrar os ovos”.

O tal adágio inerente ao trabalho remonta ao campo de concentração nazista de  Auschwitz, onde crianças foram assadas como galeto nos infernais fornos crematórios. No frontispício daquele lugar horripilante estava escrito: “O trabalho dignifica o homem”.

O outro ditado popular sobre ovos e omelete foi dito por um general nazista para, perante um mundo indignado com aquele extermínio infantil, justificar a crueldade inexplicável e inaceitável.

Descriminalizar o trabalho infantil pode legalizar a escravidão de crianças, como acontece em países asiáticos e africanos. Crianças pobres, diga-se de passagem, porque criança rica não tem necessidade de trabalhar.

Gostaria de perguntar a sua excelência se seus filhos menores, dentre eles, uma menina de oito anos, iria trabalhar?

Comecei a trabalhar com treze anos de idade, como mensageiro, no Centro Telefônico da Telpa, em Serraria- PB, minha terra natal. Foi bom, ganhei meu dinheirinho e não morri. No entanto, na mesma época e na mesma Serraria crianças eram exploradas a partir de quatro anos de idade, puxando cobra pros pés com enxadas de libras incompatíveis com a sua estatura física. Eram menores explorados ou pelos pais ou pelos fazendeiros, quando não, por ambos.

Passado todo esse tempo, o que hoje vejo por aqui é uma legião enorme de analfabetos, pobres e de uma aparente velhice que não corresponde à sua idade biológica. Em suma, estes de hoje são àquelas crianças que no passado foram exploradas no trabalho pesado e que não tiveram a chance de brincar, de estudar e que, pela falta de conhecimento, não foram dotadas de capacidade de competir no mercado de trabalho quando atingiram a idade em que podiam e deviam trabalhar.

Agora imagine a situação, por exemplo, de crianças que são escravizadas nas olarias e nas carvoarias Brasil à fora.

Para arrematar: se crianças ricas ou de classe media alta tivesse que trabalhar, vocês acham que Bolsonaro e este segmento privilegiado defenderia o trabalho infantil? Vá esperando…

No mundo

Hoje temos mais de 168 milhões de crianças trabalhadoras no planeta, apesar de todo o movimento mundial em favor da erradicação do trabalho infantil.

Se este continente fosse uma nação, seria a 7° mais populosa do mundo.

Nós
No Brasil temos mais de 3 milhões de crianças trabalhadoras, apesar de nossa Constituição não permitir.

Wellington Farias
PB Agora

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Noiva de Gabriel Diniz diz que joias do cantor foram roubadas

Em um desabado publicado no YouTube, Karoline Calheiros, noiva de Gabriel Diniz, respondeu perguntas relacionadas ao cantor, morto após um acidente de helicóptero em maio. Uma das revelações que mais chamou…

Com apoio de paraibanos, Câmara aprova PL que regulamenta vaquejada

O Plenário da Câmara dos Deputados concluiu nesta terça-feira (20) a votação do projeto de lei que regulamenta as práticas da vaquejada, do rodeio e do laço no Brasil (PL 8240/17).…