Por pbagora.com.br

O Ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) Vital do Rêgo homenageou os advogados brasileiros na última sessão remota do órgão, por conta do Dia do Advogado, transcorrido em 11 de agosto. Em uma fala emocionada, ele destacou a importância dos advogados para a vida do País e na defesa dos direitos humanos; e citou como exemplo de dedicação à advocacia o seu pai, o tribuno Vital do Rêgo, falecido em 2010.

Vitalzinho, como é conhecido em seu estado, a Paraíba, apresentou Moção de Aplauso pela passagem do Dia do Advogado e pediu que ela fosse enviada à Ordem dos Advogados do Brasil – OAB, considerada por ele “celeiro e bastião da democracia, dos direitos humanos e que defende intransigentemente o cidadão brasileiro”.

Em seu pronunciamento, o Ministro Vital citou o respeito que o TCU nutre pelos advogados da corte, citando o Art. 133 da Constituição, segundo o qual “o advogado é indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei”. “O Artigo 133 da Constituição foi sábio em dizer que o advogado é indispensável à administração da justiça e inviolável nos seus atos e, certamente, os nossos advogados tem o respeito dos seus ministros. Nós tratamos aqui os advogados com o respeito que eles tem. Aprendi isto nesta corte”.

Homenagem ao Tribuno Vital do Rêgo

Um dos momentos mais emocionantes da sessão do TCU foi quando o Ministro Vital do Rêgo falou do seu pai, lembrado como exemplo de advogado e de dedicação à advocacia. Vitalzinho, que também é advogado, lembrou que sua família é constituída por advogados, o que muito contribuiu para a sua formação profissional.

“Sou formado em uma família de advogados. Meu pai e meus avós foram advogados a vida inteira, em que pese terem desenvolvido outras atividades no mundo político e eu, como advogado, aprendi muito dentro de casa. Meu pai foi advogado por 50 anos, ininterruptamente. Ele passou 10 anos à frente da Ordem dos Advogados do Brasil, seccional paraibana, e foi o idealizador e construtor do prédio da OAB, com seus recursos de honorários advocatícios”, lembrou o Ministro. “Meu pai, pra mim, é uma legenda, exemplo de advogado militante que marcou muito a minha vida”.

Vitalzinho confidenciou um fato marcante relacionado ao seu pai, já em seus últimos dias de vida, quando, passando por um tratamento do câncer que acabou por causar a sua morte, o tribuno fez questão de comparecer pessoalmente à sede da OAB Paraíba para votar, numa eleição para a escolha da nova diretoria da entidade.

“Meu pai, no final da vida, quando o câncer, lamentavelmente, já estava espalhado, inclusive com metástases ósseas, no dia da eleição da OAB, na última eleição da OAB, na sua última exposição pública, ele saiu do hospital para votar. Chegou ao prédio da OAB que ele havia construído e foi aplaudido pelas duas chapas. Foi o momento de despedida pública do meu pai, do público com o qual ele conviveu”, relatou Vitalzinho.

Segundo o Ministro, esse foi um fato muito marcante em sua vida. “Como advogado, digo que foi um dos momentos mais importantes, dos mais emocionantes da minha vida, eu levando meu pai, já com dificuldade de andar, e ele foi lá e votou. Votou para dizer: ‘estou aqui como advogado, na casa dos advogados, dos direitos humanos’, casa que ele construiu, e isso me marcou muito”.

Vitalzinho citou ainda o quanto o Dia 11 de Agosto era marcante em sua casa, junto de sua família, pelas comemorações proporcionadas pelo seu pai. “O dia 11 de agosto era uma das datas mais comemoradas na minha casa, porque era o dia do advogado, e hoje eu amanheci me lembrando do meu pai e das comemorações que ele fazia na OAB e, por isso, queria transmitir aos senhores este gesto de lembranças e de saudade”.

Assessoria

Deixe seu Comentário