Por pbagora.com.br

O Conselho Nacional do Ministério Público aprovou nesta segunda-feira (6) uma resolução que proíbe os membros do MP de fornecerem “direta ou indiretamente, a terceiros ou a órgãos de comunicação social, gravações ou transcrições contidas em processos ou investigações criminais”.

 

A resolução entrará em vigor após sua publicação no Diário da Justiça, o que, segundo o CNMP, deve acontecer na próxima semana.

A resolução aprovada estabelece que os dados “que não interessarem diretamente às provas” deverão ser destruídos sob acompanhamento de um membro do Ministério Público.

Também foi proibida a realização de interceptações ou a quebra do segredo de Justiça sem autorização judicial “ou com objetivos não autorizados em lei”.

De acordo com a resolução aprovada nesta segunda, a cada mês, o promotor responsável pela investigação criminal ou instrução penal deverá comunicar à corregedoria do Ministério Público a quantidade de interceptações em andamento e o número de pessoas que tiveram o sigilo quebrado. As corregedorias deverão encaminhar os dados à Corregedoria Nacional do Ministério Público até o dia 10 de cada mês.

 

G1

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Avó de Michelle Bolsonaro morre vítima de Covid-19 em hospital público no DF

A avó da primeira-dama Michelle Bolsonaro, morreu nesta quarta-feira (12) no Hospital Regional de Ceilândia (HRC), no Distrito Federal. De acordo com as informações, Maria Aparecida Firmo Ferreira, de 80 anos,…