Por pbagora.com.br

O médico paraibano Marcelo Queiroga, que assumiu o Ministério da Saúde em meio a maior crise sanitária desde o início da pandemia da covid-19 no Brasil, declarou na manhã desta terça-feira (16), antes de reunir com o ex-ministro Eduardo Pazuello, para organizar a transição do cargo, que a política de Saúde é estritamente do governo federal e que cabe ao ministro apenas executá-la.

Ainda conforme as declarações do cardiologista na chegada à Esplanada dos Ministérios, Bolsonaro está bastante preocupado com a pandemia.

“O governo está trabalhando, as políticas públicas estão sendo colocadas em prática. Pazuello já anunciou todo o cronograma da vacinação em entrevista ontem [segunda-feira]. A política é do governo Bolsonaro, não é do ministro da saúde. A saúde executa a política do governo”, disse, ao ser questionado sobre mudanças em relação à vacinação.

Queiroga disse ainda que não irá avaliar a gestão do seu antecessor, Eduardo Pazzuelo e que o seu objetivo é dar sua contribuição para o Brasil.

“Não tem avaliação da gestão Pazuello, não vim aqui avaliar. Vim aqui trabalhar pelo Brasil. O ministro Pazuello tem trabalhado arduamente para melhorar as condições sanitárias no Brasil e eu fui convidado pelo Presidente Bolsonaro para dar continuidade a esse trabalho” pontuou.

PB Agora

Notícias relacionadas

Coletivos virtuais unem escritoras para valorizar obras escritas por mulheres

Mercado literário ainda tem predominância masculina Dos livros publicados por grandes editoras do país entre 1965 e 2014, 70% foram escritos por homens. Nos 115 anos de existência do prêmio…

CPI da covid-19 quer ouvir Queiroga, Guedes e ex-ministros

O ministro da Economia, Paulo Guedes, deve ser chamado à CPI da Covid para explicar os gastos do governo com o auxílio emergencial e o seu impacto sobre a população mais vulnerável durante a pandemia.…