Por pbagora.com.br

O presidente Lula vai sancionar hoje (quarta, 29), parcialmente, o projeto de lei (PLS 203/2001) que regulamenta a atividade dos profissionais que usam motocicletas e congêneres, conhecidos como motoboys (entrega de produtos e prestação de serviços), motovigilantes (rondas em ruas, comunidades e condomínios) e mototaxistas. Aprovada no dia 8 deste mês no Senado, a matéria havia sido apresentada há oito anos pelo então senador Mauro Miranda (PMDB-GO). De acordo com o texto aprovado, caberá ao poder público em cada município a autorização para o funcionamento dos serviços. A sanção deve ser publicada na edição de amanhã do Diário Oficial.

No entanto, Lula vetará o parágrafo único do artigo 3, que trata da profissão de motovigilantes. De acordo com o ministro Márcio Fortes (Cidades), que se reuniu com Lula na manhã de hoje, o veto se deve ao fato de que o governo entende ser a regulamentação desse tipo de atividade tema de relação contratual, e não de instrumento legislativo. “Precisa ser estabelecido pela empresa que vai prestar o serviço de segurança com a comunidade interessada”, explicou o ministro, para quem o governo não poderia “fechar os olhos” para uma profissão que já existe há anos e que é meio de vida para milhares de pessoas.

O projeto de lei estabelece critérios para o exercício da atividade, entre os quais idade, segurança e adequação à legislação. Serão autorizados para exercer o ofício apenas mototaxistas, motoboys e motovigilantes com, no mínimo, 21 anos; prática de dois anos em condução de motocicleta; e com habilitação em curso especializado a ser regulamentado pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran). Todos devem usar colete refletor de luz.

O texto a ser vetado estabeleceria que motovigias tivessem sempre à mão, além dos documentos de identidade e habilitação, comprovante de residência e certidão negativa em varas criminais (nada-consta judicial). Esses profissionais passariam a obedecer normas descritas no projeto: observar o fluxo dos moradores na área monitorada; verificar o fechamento dos portões e portas do imóvel; e comunicar à polícia ou aos próprios moradores eventuais situações suspeitas de pessoas ou veículos estacionados.

O PLS também determina exigências aos veículos de moto-frete, que são utilizados pelos motoboys. Passam a ser obrigatórios equipamentos de segurança como antenas para cortar fios de pipa e os chamados mata-cachorros (proteção para o motor), a serem inspecionados semestralmente pelo Contran. Está proibido o transporte de produtos inflamáveis ou tóxicos e galões que não sejam de água ou gás de cozinha – nesses casos, será exigida a utilização do equipamento conhecido como side-car, veículo com duas rodas conectado na lateral da motocicleta.

No dia da aprovação da proposta, profissionais e representantes da categoria comemoraram com entusiasmo a regularização da atividades. Semanas antes da inclusão da matéria na pauta de votações eles já lotavam as galerias superiores do Senado. Ao final da votação, os condutores de moto cantaram o Hino Nacional.

Congresso em Foco

Notícias relacionadas

Coletivos virtuais unem escritoras para valorizar obras escritas por mulheres

Mercado literário ainda tem predominância masculina Dos livros publicados por grandes editoras do país entre 1965 e 2014, 70% foram escritos por homens. Nos 115 anos de existência do prêmio…

Pesquisa mostra taxa maior de infecção de animais pela covid-19

Pesquisadores do Laboratório de Biologia Molecular do Instituto de Pesquisas Biomédicas do Hospital Naval Marcílio Dias, do Laboratório de Imunofarmacologia da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e médicos veterinários da Clínica…