Por pbagora.com.br

De acordo com o último balanço divulgado hoje (9) pelo Corpo de Bombeiros, chega a 195 o número de mortos pelas chuvas no estado do Rio de Janeiro. Destas mortes, são 115 em Niterói – cidade mais afetada -, 60 no Rio, 16 em São Gonçalo, uma em Petrópolis, uma em Paracambi, uma em Nilópolis e uma em Magé. Além das vítimas fatais, outras 161 pessoas ficaram feridas.

Segundo a Defesa Civil do Estado, são 6.001 pessoas desalojadas e 4.110 desabrigadas.

Foram recolhidas 5.790 toneladas de resíduos e lama por garis da Companhia Municipal de Limpeza Urbana do Rio.

O prefeito do Rio, Eduardo Paes, continua pedindo que as pessoas permaneçam em casa se não houver necessidade de deslocamento. As aulas nas escolas estaduais e municipais vão ser retomadas hoje (8).
 

 

O temporal foi o maior dos últimos 44 anos

 

Voltou a chover forte em alguns pontos do Rio de Janeiro na manhã de hoje (7). O secretário estadual de Saúde e Defesa Civil, Sérgio Côrtes, informou que já são 110 mortos em todo o Estado. Segundo o Corpo de Bombeiros ainda há mais de 60 desaparecidos. Além da capital, as mortes foram registradas em Niterói, São Gonçalo, Petrópolis, Nilópolis e Paracambi, na Baixada Fluminense.

Segundo os bombeiros, as buscas na comunidade Santa Maria, em Jacarepaguá, onde há desaparecidos, começaram pela manhã.

 

 

Das 17h de terça-feira (6) às 7h desta quarta-feira (7), a Defesa Civil recebeu 786 chamados, a maioria para desabamentos de imóveis, rachaduras, deslizamentos de barreiras e quedas de muros. O órgão interditou 180 imóveis e 2.134 pessoas estão desabrigadas no Rio.

O temporal foi o maior desde 1966, segundo o prefeito do Rio, Eduardo Paes. Naquele ano, o índice pluviométrico foi de 245 milímetros, enquanto que nas últimas chuvas o nível chegou a 288 milímetros. A chuva provocou pontos de alagamentos, deslizamentos de terras, quedas de árvores, deixando ruas submersas. A Lagoa Rodrigo de Freitas, na zona sul, um dos principais cartões-postais da cidade, transbordou.

Os aeroportos da cidade do Rio fecharam na segunda-feira à noite e só voltaram a operar na manhã de ontem (6). Passageiros foram alojados em hotéis. Nas estradas, a situação também foi complicada. As principais estradas de acesso ao Rio, como a Via Dutra, Linha Vermelha e Avenida Brasil registraram pontos de alagamento e retenções, sendo que a Ponte Rio-Niterói ficou fechada por mais de uma hora pela manhã.

Bairros ficaram sem luz. A Light chegou a recomendar que as pessoas não usassem os elevadores. A concessionária trabalha com 60% do efetivo para normalizar o fornecimento. Há ainda trechos de ruas de vários bairros sem energia.

O sistema de transporte público sofreu várias interrupções e muitas pessoas permaneceram até a madrugada de hoje nas ruas esperando para voltar para casa. Ao longo do dia, as barcas que unem o Rio a Niterói voltaram a operar normalmente, assim como os trens metropolitanos, que tiveram ramais suspenso. O metrô funciona com intervalos irregulares e os ônibus urbanos estão com a frota reduzida.

Por causa dos transtornos e dos inúmeros chamados de emergência, as autoridades recomendaram que as pessoas não saíssem de casa. O centro do Rio ficou vazio. Agências bancárias e lojas não abriram e serviços públicos funcionaram parcialmente. A Polícia Militar reforçou o policiamento em “pontos-chaves” para evitar assaltos a motoristas parados no trânsito.

Em um dos bairros mais afetados, o Maracanã, a Confederação Brasileira de Vôlei adiou o jogo da Superliga feminina, que seria realizado hoje no Ginásio do Maracanazinho. No Estádio do Maracanã, que hoje (7) recebe jogo da Taça Libertadores, a equipe limpa túneis de acesso ao campo, que ficaram alagados.

 

Diário do Vale

 

 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Anac flexibiliza regras para transporte de vacinas pelas companhias aéreas

As empresas aéreas vão poder transportar doses de vacinas refrigeradas com gelo seco na cabine de passageiros de aviões. A autorização foi concedida pela Agência Nacional de Aviação Civil, a…

Confira as dicas de especialista para se dar bem na prova de Redação do Enem

Baixo desempenho na prova é critério de desclassificação em processos seletivos do governo O uso correto da gramática e suas aplicações são fundamentais para a construção de um texto adequado…