Por pbagora.com.br

homem que confessou ter matado seis adolescentes em Luziânia, em Goiás, prestava depoimento à polícia por volta da 0h30 desta terça-feira (13).

Veja o site do Jornal da Globo

Longe das câmeras, o pedreiro Admar Jesus da Silva ficou frente a frente com o delegado que investiga o caso, em Goiânia. A polícia quer saber se ele confirma o que falou mais cedo aos jornalistas.

“Eles reagiram na hora que eu tentei matar eles. Eu matei todos a paulada”, disse o pedreiro.

 

Diego, de 13 anos, foi o primeiro a desaparecer, em dezembro do ano passado. Depois sumiram Paulo Victor, de 16 anos, George, de 17, Divino, de 16, Flávio, de 14, e Márcio Luiz, de 19 anos. Os corpos foram encontrados em uma fazenda em Luziânia com a ajuda de Admar.

O pedreiro teria começado a cometer os crimes exatamente uma semana depois de receber o benefício de progressão de regime.

“O Estado falhou, ou seja, o poder público foi inerte, foi omisso, em uma situação em que gerou praticamente essa calamidade lá em Luziânia”, diz o juiz criminal Jesseir Coelho.

O juiz Luiz Carlos de Miranda, que deu a liberdade ao pedreiro, informou, em nota, que o exame psiquiátrico não apontou doença mental, nem necessidade de remédios controlados e que, por isso, o Ministério Público também foi a favor da liberdade.

G1

 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Veneziano critica fechamento de agências do Banco do Brasil

O senador Veneziano Vital do Rego (MDB-PB) criticou o anúncio feito pelo Governo Federal, por meio do Banco do Brasil, na última segunda-feira (11/01), informando ao mercado que a instituição…

Avião que buscará vacinas na Índia parte amanhã à noite do Recife

O Ministério da Saúde (MS) informou nesta quinta-feira (14) que o avião da companhia aérea Azul previsto para decolar hoje em direção à Índia para buscar 2 milhões de doses da vacina contra…