Pesquisa encomendada pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT) e realizada pelo instituto MDA  aponta que o governo da presidente Dilma Rousseff tem avaliação positiva de 54,2%.

A pesquisa, divulgada nesta terça-feira (11), ouviu 2.010 pessoas entre os dias 1º e 5 deste mês. As entrevistas foram realizadas em 134 municípios de 20 unidades da federação nas cinco regiões. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais.

Esta é a segunda vez que a CNT realiza a pesquisa com o instituto MDA. Na pesquisa anterior, divulgada em julho de 2012, a taxa de aprovação do governo Dilma era de 56,6%.

A metodologia utilizada segue o seguinte critério, conforme a CNT: “As entrevistas são feitas de forma proporcional ao tamanho das cinco regiões e 20 unidades da federação, com sorteio aleatório de 134 municípios, com probabilidade de seleção proporcional ao tamanho considerando cotas em função do porte do município”.

De acordo com o levantamento, 54,2% avaliam de forma “positiva” o desempenho do governo Dilma. Outros 35,6% consideram “regular”, e 9%, “negativo”. 

O percentual de aprovação pessoal da presidente passou de 75,7%, em julho de 2012, para 73,7% em junho de 2013.

Datafolha
No fim de semana, foi divulgada outra pesquisa sobre a aprovação do governo da presidente Dilma Rousseff.  No levantamento, realizado pelo instituto Datafolha, o governo tem a aprovação de 57% dos eleitores, que o consideram bom ou ótimo.

Foi registrada uma queda de oito pontos percentuais em relação ao levantamento anterior do instituto, realizado em março. No caso do Datafolha, a pesquisa foi realizada nos dias 6 e 7 deste mês, com 3.758 entrevistas em 180 municípios do país.

Eleições 2014
A pesquisa MDA fez simulação da disputa da eleição presidencial de 2014. Conforme a pesquisa, num cenário em que concorressem Dilma Rousseff (PT), Aécio Neves (PSDB), Marina Silva (Rede Sustentabilidade) e Eduardo Campos (PSB), a atual presidente teria vantagem. 

Pelo levantamento, Dilma obteria 52,8% votos. Aécio Neves ficaria em segundo lugar, com 17%, seguido por Marina Silva (12,5%) e Eduardo Campos (3,7%). Votariam em branco ou nulo 8,4% dos entrevistados. Outros 5,6% não souberam responder.

Em um segundo turno com Dilma Rousseff e Aécio Neves, a pesquisa indica que a petista sairia vitoriosa com 58,8% dos votos. O tucano obteria 22,5%, de acordo com o levantamento. No cenário em que Dilma disputasse o segundo turno com Marina, a presidente levaria vantagem com 59,7%, de acordo com a pesquisa. Marina Silva obteria 20,4% dos votos.

Comparação com governo Lula
O levantamento aponta que 12% dos brasileiros consideram que o governo Dilma está melhor que o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Outros 57,1% acreditam que o atual governo está “igual” ao governo passado. Já 29,4% responderam que o governo Dilma está pior que o governo Lula, e 1,5% não sabe ou não respondeu.

Pela pesquisa, 42,9% dos brasileiros consideram que a “principal marca do governo da presidente Dilma Rousseff”  é “estar ligado ao ex-presidente Lula”. Outros 16,5% acham que é a boa administração, 13,2% responderam ser a “determinação”. O restante respondeu que é a “seriedade”, a “honestidade”, a “fraqueza”, ou outros atributos.

 

Indicadores sociais e econômicos

 A pesquisa aponta uma piora na expectativa do brasileiro com relação aos indicadores sociais e econômicos. Pelo levantamento, o percentual da população que acreditava que o emprego melhoraria em seis meses passou de 54,1%, em julho de 2012, para 39,6% em junho deste ano. A expectativa positiva com relação ao aumento de renda passou de 49% em julho do ano passado, para 35,8%.

Sobre a situação da saúde, 26,2% acreditam que o setor terá melhoras nos próximos seis meses. Em julho do ano passado, a expectativa positiva era de 43,7%. O levantamento revela ainda que 33,1% dos brasileiros acreditam em melhoras na educação, contra 47,2% na última pesquisa. Quanto à segurança pública, 29,1% esperam avanços nos próximos seis meses, contra 39,1% em julho de 2012.

 

Confiança em instituições

 Pelo levantamento, a instituição mais confiável para o levantamento é a Igreja, com 37,5%. A Polícia Federal está em segundo lugar, sendo considerada a instituição mais confiável por 13,8% dos entrevistados. Em terceiro lugar está o Supremo Tribunal Federal (STF), com 8,2%. O Ministério Público está em quarto, com 7,8%, seguido pela Presidência da República (7,1%), e o Senado (0,7%). A Câmara foi citada por 0,6% dos entrevistados.

 

Maioridade penal
De acordo com a pesquisa, 9,27% dos entrevistados são favoráveis à redução da maioridade penal de 18 para 16 anos. São contra 6,3%, e 0,9% não responderam. 

Segundo o levantamento, a maioria dos brasileiros seria contrária à união civil homoafetiva. Dos entrevistados, 38,9% disseram ser a favor e 49,7% se posicionaram contra. Outros 11,4% não souberam responder.

 

De acordo com a pesquisa, 37,5% defenderam a aprovação de uma lei que permita o casamento entre pessoas do mesmo sexo, 54,2% se disseram contrários e 8,3% não responderam.

 

 

G1

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Vítimas de acidente de trânsito não terão mais direito ao DPVat

O presidente Jair Bolsonaro assinou nessa segunda-feira (11) medida provisória (MP) extinguindo, a partir de 1º de janeiro de 2020, o Seguro Obrigatório de Danos Pessoais causados por veículos automotores…

Carlos Bolsonaro amanhece sem contas nas redes sociais

Carlos Bolsonaro, vereador do Rio de Janeiro pelo PSL, amanheceu com seus perfis pessoais nas redes sociais desativados. Filho mais atuante do presidente Jair Bolsonaro nas redes, seus perfis pessoais…