A noite de alegria de Maytê Piragibe, que venceu a primeira edição do “Dancing Brasil” nessa segunda-feira, terminou com um momento de constrangimento. Durante entrevista ao vivo após a final, Xuxa entregou que a campeã teria se relacionado com seu par na disputa, o bailarino Paulo Victor. A atriz explica que a apresentadora não revelou um segredo, e sim que contou uma mentira.

— Não vou permitir que Xuxa nem ninguém minta sobre a minha vida pessoal. Eu mereço respeito. Aquela postura foi para me defender e falar sobre mim mesma — desabafa Maytê, que continua seu posicionamento: — Nem ela nem ninguém têm o direito de falar da vida do outro. Me senti constrangida.

A campeã disse que ainda não teve a oportunidade de esclarecer a situação com a apresentadora da competição de dança:

— Não falei com a Xuxa ainda, nem ela veio falar comigo.

Descanso

Dedicada exclusivamente ao programa desde março, Maytê Piragibe só quer saber de descansar e de aproveitar os R$ 500 mil que ganhou ao ser eleita por 42,53% do público a campeã do “Dancing Brasil”, da Record. Já o bailarino levou para casa um carro 0km. Ela disputou a final contra Jade Barbosa e Leo Miggiorin.

— Agora o que eu preciso é de férias, amor e descanso. Foram meses dançando de domingo a domingo — conta a atriz, que nesse período sofreu com uma intoxicação alimentar, um edema no pé, uma contratura nas costas e muitos hematomas — Nunca dancei na minha vida, sou atriz, mas nunca fiz musical e estava sedentária na época. Foi uma superação corporal. Estou muito agradecida a Deus por ter descoberto um talento que não sabia que tinha. Fiquei muito surpresa com essa conquista que o público me deu, estou anestesiada e muito feliz.

Na disputa ao lado de artistas que estavam acostumados a dançar, como é o caso de Sheila Mello, Maytê confessa que em nenhum momento foi absorvida pelo sentimento de competitividade:

— Sou zero competitiva, nunca gostei de competição. Sou muito determinada em melhorar a mim mesma e não me comparar a ninguém — pontua a atriz, que confessa que a superação foi diária: — Todos os dias foram difíceis, uma mistura de que não ia conseguir com a vontade de me superar. Todos os dias eu duvidei da minha capacidade. Fui criando confiança a cada semana. Tinha muito medo das pegadas, dos aeros, de ir para o alto, de virar de ponta cabeça e me machucar. Foi um processo de dor e superação.

Extra

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Forças Armadas treinam profissionais para desinfectar áreas públicas

As Forças Armadas estão capacitando seus contingentes em diversos estados do país para desinfectar áreas públicas. Os militares foram treinados para higienizar áreas como corredores, banheiros, recepções, salas de espera,…

Paraibano, secretário-geral do MPU, diz não ver indício de interferência de Bolsonaro na PF: “Risco na água”

Ainda repercute a gravação da reunião ministerial, ocorrida no dia 22 de abril, entre o presidente Jair Bolsonaro e seus auxiliares, que causaram polêmica por conta das declarações contidas nas…