O ator Rafael Henrique Miguel, que interpretou o Paçoca no remake de "Chiquititas" (2013-2015), foi morto a tiros, na tarde deste domingo. De acordo com o jornalista Luiz Bacci, da Record TV, Rafael, que tem 22 anos, seu pai, João Alcisio Miguel, 52, e sua mãe, Miriam Selma Miguel, 50, foram assassinados na casa da namorada do jovem, Isabela Tibcherani, 18, pelo pai dela, Paulo Cupertino Matias.

Familiares teriam dito que Paulo fugiu após os disparos, que aconteceu na Estrada do Alvarenga, no bairro Pedreira, na Zona Sul da Capital. Ele cometeu o crime por ciúmes da filha.

Ainda segundo Bacci, Isabela era obrigada a ficar trancada em casa e a não se relacionar com outras pessoas. Neste domingo, após se sentir mal, ela recebeu a visita do namorado e dos sogros. Segundo testemunhas, Paulo não gostou e atirou nos três.

Antes de "Chiquititas" Rafael ficou conhecido por um comercial de TV onde seu personagem pedia para a mãe comprar brócolis.

Em nota, o SBT lamentou "profundamente a morte do ator Rafael Henrique Miguel e seus pais. A família SBT está muito triste com o ocorrido. E deseja que Deus conforte os seus familiares".

A Polícia Civil de São Paulo disse que o caso é investigado pelo 98º DP (Jardim Miriam) "e as equipes estão em diligência para localizar e prender o autor do crime".

O Dia

 


Leia mais notícias sobre o mundo jurídico no Portal Juristas. Adquira seu certificado digital E-CPF ou E-CNPJ com a Juristas. Entre em contato através do WhatsApp (83) 9 93826000

 

Total
0
Compartilhamentos
Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

‘Suicídio acontece, pessoal pratica’, diz Bolsonaro ao se referir a Herzog

Na semana em que a Corte Interamericana de Direitos Humanos condenou, por unanimidade, o Brasil pelo assassinato de Vladimir Herzog, o pré-candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) disse que lamenta…

OPINIÃO: Pelo visto, STF se rendeu à ameaça de fechamento da corte pelo filho de Bolsonaro

Uma verdadeira cusparada na cara dos brasileiros, sobretudo daqueles que (ingenuamente) acreditavam que um novo Brasil, mais ético, surgiria na “era Jair Bolsonaro”: o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro…