Por pbagora.com.br

 Policiais da 17ª DP (São Cristovão) fazem buscas, na manhã desta terça-feira (11), na tentativa de localizar o suspeito de acender o rojão que atingiu o cinegrafista da TV Bandeirantes Santiago Andrade durante protesto no Rio na quinta-feira (6). Santiago teve morte cerebral na segunda-feira (10), depois de passar quatro dias internado no CTI do Hospital Souza Aguiar, no Centro.

Na noite de segunda, a Justiça do Rio decretou a prisão temporária do suspeito. Ele foi identificado após ajuda de Fábio Raposo, que confessou ter participado da ação e está preso desde domingo (9). Raposo disse ainda que o rapaz tem um perfil violento e que eles se conheciam apenas de outros protestos.
A polícia decidiu não divulgar o nome do rapaz para não atrapalhar as investigações. Mas segundo informações da polícia, ele é morador da Baixada Fluminense e tem duas passagens pela polícia, uma delas por ter sido vítima de agressão em uma manifestação e a outra é por um crime de menor potencial ofensivo. Leia a íntegra da decisão judicial ao final desta reportagem.

Investigação
O delegado Maurício Luciano, que conduz as investigações, disse que levou uma foto do suspeito para Fábio Raposo, que está à disposição da Justiça, no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, Zona Oeste do Rio. Ele reconheceu o autor do disparo. Os dois vão responder por homicídio doloso qualificado, pelo uso de artefato explosivo, e também pelo crime de explosão. Se condenados, a pena pode ser de até 35 anos de prisão.
Segundo o delegado, o autor do disparo tinha intenção de matar. “Foi um homicídio intencional. Não foi um atentado à liberdade de imprensa. Infelizmente, o Santiago estava na linha de tiro. A intenção era ferir ou matar os policiais. Segundo o Fábio, ele tinha um perfil violento, pelo porte físico”, explicou.

Segundo a decisão judicial, “o suspeito foi apontado por acender e posicionar o artefato que tingiu o cinegrafista”. Diz ainda o texto expedido pelo Plantão Judiciário do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro: “a prisão temporária deve ser decretada para a garantia da ordem pública, da futura aplicação da Lei Penal e da futura instrução criminal. Há evidente necessidade de se resguardar a instrução, a fim de que as provas sejam colhidas garantindo-se, ao final, a instrução criminal da causa, que merece integral apuração, dada a lesividade social para que os eventos violentos não mais se repitam”.

Ao deixar a delegacia na tarde desta segunda, o advogado de Raposo havia antecipado que tinha o nome, número de identidade e CPF do homem que acendeu o rojão que atingiu e matou o cinegrafista da TV Bandeirantes. “Eu passei para a autoridade policial o nome do rapaz que estava ao lado do Fábio. Ou seja, um dos acusados de ter arremessado o rojão. Eu apenas disse que tenho o nome da pessoa, a qualificação civil”, disse o advogado Jonas Tadeu.

O advogado explicou como conseguiu as informações: “O Fábio Raposo não me deu o nome do rapaz. O Fábio conhece ele por codinome, e me passou uma pessoa que eu poderia chegar a ela e essa pessoa me passaria o nome certo e a qualificação”.
No domingo, ao ser detido e levado para a delegacia, Fábio declarou em depoimento não conhecer o homem que aparece nas imagens usando calça jeans e blusa cinza suada, mas disse que já o tinha visto em outras manifestações.”

O perito Nelson Massini, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), que analisou as imagens da TV Brasil, a pedido da Globo, disse que Fábio e o outro homem de blusa cinza agiram juntos.
Em um ponto do vídeo, quando a imagem fica distante e os dois se misturam a outras pessoas, a imagem é aproximada e congelada pelo perito. E então surge um ponto luminoso, que, segundo o perito, é o artefato sendo aceso.

Quando perguntado se os dois rapazes estão juntos na ação, Massini respondeu que “na parte superior [do vídeo] se vê o outro participante numa perfeita integração [com Fábio Raposo]”. “As duas pessoas estão aqui [no vídeo] integradas nessa ação. Eles estão juntos”, afirmou.

Em outro ponto, quando o homem de blusa cinza já está se abaixando, ele tem um objeto na mão. Segundo o perito, há uma faísca. “Nós observamos nesta extremidade, a chama já está presente. Então ele, neste momento, já está com o artefato aceso, colocando no chão. [A imagem] é conclusiva. Ele acende num determinado instante, tem o tempo suficiente e aqui neste momento já está acesa. Não há como contra-argumentar, dizer que não, que ele estaria colocando outro objeto. Não só é o objeto, que foi aceso com os dois, e é colocado por este que está de calça jeans, já aceso, ao chão”, explicou Massini.

Delação premiada
Fábio Raposo está na penitenciária Bandeira Stampa, no Complexo de Bangu, à disposição da Justiça, onde cumpre prisão temporária de 30 dias. O advogado disse ainda que o delegado descartou o benefício da delação premiada para seu cliente. “Não está valendo. Mas isso vai ser uma discussão que eu vou levar pra juízo”, disse Jonas Tadeu.

G1

Notícias relacionadas

TSE prevê compra de 176 mil urnas eletrônicas para eleições de 2022

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) realiza na sexta-feira (16) uma audiência pública sobre a compra de até 176 mil urnas eletrônicas adicionais para as eleições de 2022. A audiência é…

Mortes de grávidas e de mães de recém-nascidos por Covid dobram em 2021, aponta estudo

O número de mortes de gestantes e de mães de recém-nascidos, (puérperas) por Covid-19 mais do que dobrou em 2021 em relação à média semanal de 2020, apontam dados do…