João Pessoa, 19 de Agosto de 2017

19 de Maio de 2017

Temer pediu retirada da ação para cassar chapa Dilma-Temer, diz Aécio

Temer pediu retirada da ação para cassar chapa Dilma-Temer, diz Aécio

Em conversa gravada entre o senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) e o dono do frigorífico JBS Joesley Batista, o tucano conta ao empresário que o presidente Michel Temer pediu a ele que retirasse a ação contra a chapa Dilma-Termer no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) depois que Dilma Rousseff sofreu impeachment.

O diálogo consta na página 11 do pedido de inquérito 4483, apresentado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) e autorizado pelo Supremo Tribunal Federal nesta quinta-feira (18), para investigar Aécio, Temer e o deputado federal também afastado Rodrigo Rocha Loures. A conversa foi captada pelo empresário com um gravador escondido em um hotel de São Paulo. Veja o documento na íntegra.

"A Dilma caiu, a ação continuou, e ele quer que eu retire a ação. Cara, só que, se eu retirar, e não estou nem aí, eu não vou perder nada, o Janot [procurador-geral da República] assume, o Ministério Público assume essa merda", diz Aécio na conversa gravada por Joesley.

Segundo o documento, a conversa ocorreu em um encontro entre Aécio e Joesley no hotel Unique, em São Paulo, em março deste ano. Atualmente, em razao da investigação Aécio está afastado do mandato de senador por ordem do ministro Edson Fachin, que atendeu a pedido da PGR.

Em um dos pontos da conversa, eles falam sobre a ação que tramita no TSE pedindo a cassação da chapa Dilma-Temer, proposta pelo PSDB, que, após o impeachment de Dilma, passou a integrar o governo Temer. Atualmente, o partido detém quatro ministérios.

O pedido de investigação é baseado na delação dos donos da JBS, Joesley e Wesley Batista, homologada pelo ministro relator da Lava Jato no STF, Edson Fachin. Segundo o documento, pelo contexto da conversa, a pessoa que Aécio diz que pediu a retirada da ação é Temer.

O G1 entrou em contato com as assessorias de Aécio e do presidente Michel Temer e aguardava resposta até a última atualização desta reportagem.

Além de ter sido afastado do cargo, Aécio deixou a presidência nacional do PSDB.

O julgamento da ação foi marcado pelo presidente do TSE, Gilmar Mendes, para os dias 6 a 8 de junho.

Na ação, apresentada pelo PSDB em dezembro de 2014 – dois meses depois da derrota de Aécio nas urnas –, os tucanos acusaram a chapa Dilma-Temer de ter cometido abuso de poder político e econômico por, supostamente, ter recebido dinheiro de propina do esquema de corrupção que atuava na Petrobras investigado pela Operação Lava Jato.


G1



Enviar Comentário

O portal PB Agora esclarece aos internautas que o espaço democrático reservado aos comentários é uma extensão das redes sociais e, portanto, não sendo de responsabilidade deste veículo de comunicação. É válido salientar que qualquer exagero, paixão política e infrações à legislação são de responsabilidade de cada usuário, que possui sua própria conta na rede social para se manifestar, não tendo o PB Agora gerenciamento para aprovar, editar ou excluir qualquer comentário. Use o espaço com responsabilidade.