João Pessoa, 20 de Novembro de 2017

06 de Fevereiro de 2015

Romário muda número de gabinete

Romário muda número de gabinete

Romário está com prestígio no Senado Federal. Parlamentar que teve destaque quando foi deputado federal pelo estado do Rio de Janeiro fez um pedido inusitado ao presidente do Senado e conseguiu o que queria: mudar o número do gabinete.

O ex-jogador chegou ao Senado com uma exigência: sentar na janela. A expressão, que ele usou em 2003 sobre o então técnico do Fluminense, Alexandre Gama — “o cara nem entrou no ônibus e já quer sentar na janela” —, era lembrada esta semana nos corredores do Congresso por funcionários e senadores. Tudo porque o ex-jogador, recém-empossado para o primeiro mandato no Senado, queria ser alocado num gabinete com o número 11, camisa que o consagrou no futebol. O problema é que o prédio do Senado não dispõe do gabinete exigido pelo baixinho.

A exigência virou um problema institucional. A primeira alternativa foi oferecer a Romário um gabinete na torre principal, com o final 11. Ele não aceitou justificando que precisaria de um gabinete com saída facilitada, pois não gosta da ideia de ficar preso dependendo de elevadores. Foi então que o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), envolvido em sua campanha de reeleição, acabou autorizando uma gambiarra: fez um ofício transformando o gabinete número 4 em número 11.

Agora, na Ala Nilo Coelho, uma das mais nobres do Senado, as salas estão numeradas assim: 1, 2, 3, 11, 5, 6, 7, 8, 9 e 10. A alteração numérica tem causado problemas para Álvaro Dias (PSDB-PR), dono do último gabinete do corredor. Secretárias e assessores do tucano são abordados diariamente por entregadores e visitas que param ali, em busca do gabinete de Romário.

Apesar do transtorno, a presidência do Senado decidiu manter a ordem dos gabinetes dessa forma para não desagradar ao baixinho. Avaliou que a mudança não causaria nenhum impacto e que se diluiria como uma piada. Os contratempos com os gabinetes vizinhos serão superados ao longo do ano e dependerão, por ora, da paciência e da cortesia dos funcionários em indicar aos visitantes de Romário o caminho certo.

É comum para o presidente do Senado resolver esse tipo de situação. Todo início de legislatura, os senadores eleitos criam batalhas para ter acesso a gabinetes maiores, com salas de reunião e com banheiro. Um dos maiores, de José Sarney, que se aposentou, foi disputado por vários senadores. Quem acabou levando foi a senadora Kátia Abreu (PMDB-TO), que virou ministra da Agricultura. Outro senador que teve vantagem foi Tasso Jereissati (PSDB-CE): herdou o gabinete que foi de Joaquim Roriz e depois de Gim Argello, e que é um dos poucos a ocupar um andar inteiro do prédio do Senado.


PB Agora com O Globo



Enviar Comentário

O portal PB Agora esclarece aos internautas que o espaço democrático reservado aos comentários é uma extensão das redes sociais e, portanto, não sendo de responsabilidade deste veículo de comunicação. É válido salientar que qualquer exagero, paixão política e infrações à legislação são de responsabilidade de cada usuário, que possui sua própria conta na rede social para se manifestar, não tendo o PB Agora gerenciamento para aprovar, editar ou excluir qualquer comentário. Use o espaço com responsabilidade.