João Pessoa, 28 de Setembro de 2016

17 de Fevereiro de 2013

Rômulo e autoridades dão boas vindas ao bispo de Patos

Rômulo e autoridades dão boas vindas ao bispo de Patos

Dom Eraldo presidiu sua primeira missa na Catedral Diocesana de Nossa Senhora da Guia, neste domingo


O vice-governador Rômulo Gouveia participou, na noite deste sábado, (17) da celebração de posse do novo bispo da Diocese de Patos, Dom Eraldo Bispo da Silva. A cerimônia foi prestigiada por várias autoridades políticas e religiosa além da população da região.

O governador Ricardo Coutinho, a primeira-dama Pâmela Bório, deputados, vereadores e prefeitos do Sertão estiveram na missa que contou que foi prestigiada por diversas autoridades do clero católico na Paraíba, Rio Grande do Norte, Pernambuco, Alagoas, Bahia e Ceará além dos populares que lotaram o centro de Patos para participar da posse.

Rômulo Gouveia conversou com o bispo dando as boas vindas e desejando felicidade ao comandante da Igreja Católica na Diocese de Patos.

O Bispo Diocesano de Patos, presidiu sua primeira missa na Catedral Diocesana de Nossa Senhora da Guia, neste domingo (17). Ele abriu, em nível diocesano, a Campanha da Fraternidade 2013 que tem como tema: “Fraternidade e Juventude” e como lema: “Eis-me aqui, envia-me”. Dom Eraldo foi nomeado pelo Papa Bento XVI, no dia 7 novembro, como o 4º Bispo Diocesano de Patos, no lugar de Dom Manoel dos Reis de Farias que foi transferido para Petrolina. A Diocese de Patos foi criada em 27 de janeiro de 1959 pelo Papa João XXIII. Ao todo, são 34 paróquias em 38 municípios abrangendo hoje uma população de 369,7 mil habitantes Dom Eraldo Bispo da Silva nasceu em Monteiro, Cariri paraibano, em 13 de agosto de 1966. Sua ordenação ocorreu em 24 de abril de 1993, em Monteiro. Ele estava exercendo a função de Vigário Geral na Diocese de Barreiras-BA.  

Assessoria



Em virtude do período eleitoral o portal PB Agora suspenderá a veiculação de comentários na página. A medida visa cumprir o que preconiza a Lei da Eleições 9504/97, evitando que exageros, insultos ou até tratamento privilegiado a candidato, partido ou coligação ganhe notoriedade através deste veículo de comunicação em intervalo vedado. Após o período eleitoral, os comentários voltarão a ser visualizados no site.