João Pessoa, 26 de Julho de 2014

25 de Setembro de 2009

Greve dos bancos atinge 98% em João Pessoa

Greve dos bancos atinge 98% em João Pessoa

O presidente do sindicato dos bancários em João Pessoa, Marcos Henrique, declarou na manhã desta sexta-feira que o movimento grevista continua forte na Capital e atinge cerca de noventa e oito por cento de adesão das agências.

Segundo Marcos, alguns postos ainda continuam em funcionamento, mas garantiu que na próxima segunda-feira (28) estará se reunindo para obter a adesão total ao movimento. “Dois por cento que não aderiu à greve não vai comprometer nosso movimento, mas é importante que haja adesão total por parte dos nossos companheiros”, afirmou.

Neste sábado o comando nacional que representa os sindicatos dos bancários em todo o país estará se reunindo em São Paulo para decidir os destinos do movimento. Até o momento os bancos não apresentaram nova proposta.  

Reivindicações da categoria

Reajuste de 10% do salário - Os bancos ofereceram 4,5%, apenas a reposição da inflação dos últimos doze meses, enquanto outras categorias de trabalhadores de setores econômicos menos lucrativos estão conquistando aumento real de salário.

Bancos querem reduzir PLR para aumentar lucros - Os bancários querem uma Participação nos Lucros e Resultados (PLR) simplificada, equivalente a três salários mais R$ 3.850 fixos. Os banqueiros propuseram 1,5 salário limitado a R$ 10.000 e a 4% do lucro líquido (o que ocorrer primeiro) mais 1,5% do lucro líquido distribuído linearmente, com limite de R$ 1.500. Essa fórmula reduz o valor da PLR paga no ano passado. Em 2008, os bancos distribuíram de PLR até 15% do lucro líquido, com limite de R$ 13.862 mais parcela adicional relativa ao aumento da lucratividade que chegou a R$ 1.980. Neste ano querem limitar a PLR a 5,5% do lucro líquido e a R$ 11.500.

Valorização dos pisos salariais - A categoria reivindica pisos de R$ 1.432 para portaria, R$ 2.047 (salário mínimo do Dieese) para escriturário, R$ 2.763,45 para caixa, R$ 3.477,00 para primeiro comissionado e R$ 4.605,73 para primeiro gerente. Os bancos rejeitam a valorização dos pisos e propõem 4,5% de reajuste linear para todas as faixas salariais.

Preservação dos empregos e mais contratações - Seis dos maiores bancos do país estão passando por processos de fusão. Os bancários querem garantias de que não perderão postos de trabalho e exigem mais contratações para dar conta da crescente demanda. Os bancos se recusam a discutir o emprego e aplicar a Convenção 158 da OIT, que inibe demissões imotivadas.

Mais saúde e melhores condições de trabalho - A enorme pressão por metas e o assédio moral são os piores problemas que a categoria enfrenta hoje, provocando sérios impactos na saúde física e psíquica. A Fenaban não fez proposta para combater essa situação e melhorar as condições de saúde e trabalho.

Auxílio-creche/babá - A categoria quer R$ 465 (um salário mínimo) para filhos até 83 meses (idade prevista no acordo em vigor). Os bancos oferecem R$ 205 e querem reduzir a idade para 71 meses.

Auxílio-refeição - Os bancários reivindicam R$ 19,25 ao dia e as empresas propõem R$ 16,63.

Cesta-alimentação - Os trabalhadores querem R$ 465, inclusive para a 13ª cesta-alimentação. Os bancos oferecem R$ 285,21 tanto para a cesta mensal quanto para a 13ª.

Segurança - Os bancários querem instalações seguras e medidas como a proibição ao transporte de numerário, malotes e guarda das chaves. Também reivindicam adicional de risco de vida de 40% do salário para quem trabalha em agências e postos. A categoria defende proteção da vida dos trabalhadores e clientes.

Previdência complementar para todos - Os bancários reivindicam planos de previdência complementar para todos os trabalhadores, com patrocínico dos bancos e participação na gestão dos fundos de pensão.

Ainda segundo Marcos Henriques, os caixas eletrônicos serão abastecidos normalmente pelo menos até o fim do pagamento de aposentados e pensionistas do INSS.

O chefe de gabinete do Procon Estadual, Helton Hené, já anunciou que diante da decisão pela greve geral o órgão vai trabalhar no sentido de assegurar à população o funcionamento de 30% do número de serviços e servidores garantido em Lei durante todo o período que durar a greve.   

Milena Feitosa

Enviar Comentário

Em respeito à legislação eleitoral, o portal PB Agora esclarece aos internautas que o espaço democrático reservado aos comentários é uma extensão das redes sociais e, portanto, não sendo de responsabilidade deste veículo de comunicação. É válido salientar que qualquer exagero, paixão política e infrações à legislação são de responsabilidade de cada usuário, que possui sua própria conta na rede social para se manifestar, não tendo o PB Agora gerenciamento para aprovar, editar ou excluir qualquer comentário. Use o espaço com responsabilidade.